Construtora São José compra fábrica da Ford por R$ 550 milhões

O objetivo é criar uma montadora no terreno e 'abrir uma nova cadeia de empregos', segundo o prefeito Orlando Morando

Comentar
Compartilhar
17 JUN 2020Por Da Reportagem15h21
Fábrica empregava 2,7 mil funcionários, desses, quase mil foram mantidos por serem do setor administrativo, os outros foram demitidosFoto: Divulgação

A construtora São José comprou o terreno da antiga fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, situado no bairro Taboão, por R$ 550 milhões. A área ficou sem ter um dono por quase um ano e quatro meses.

A empresa é a mesma que comprou, em 2010, um terreno de 105 mil metros quadrados em São Bernardo. Em 2012, a construtora e a administradores BR Malls ergueram os hopping São Bernardo Plaza.

De acordo com o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), o objetivo é “instalar uma montadora no local e abrir uma nova cadeia de empregos no município”, destacou.
Ainda de acordo com Morando, se o local não conseguir viabilizar uma montadora, o terreno poderá ser um centro logístico.

“Desde o anúncio repentino da saída da Ford, nós, da prefeitura, buscamos a preservação dos postos de trabalho. Agora, com esse negócio, acende uma esperança para a geração de empregos”, afirmou o prefeito.

Em nota, a Ford informou que a construtora São José “é um dos potenciais compradores, mas não há nada para anunciar no momento”.

Também em nota, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC disse que não foi informado da decisão. “A Ford havia se comprometido a informar o sindicato em relação ao destino desta planta. Até este momento, nenhum contato foi feito pela direção da Ford depois da última posição. O sindicato espera que a Ford cumpra seu compromisso e não repita o que aconteceu em fevereiro do ano passado, quando do anúncio de fechamento da fábrica.”

Fechamento

A Ford anunciou o fechamento da unidade em fevereiro do ano passado. A fábrica empregava 2,7 mil funcionários, desses, quase mil foram mantidos por serem do setor administrativo, os outros foram demitidos. (GSP e Diário Regional )