Conselho que definirá uso da antiga cracolândia tem eleição suspensa

A eleição dos representantes dos moradores e de membros da sociedade civil envolvida naquela área do bairro de Campos Elísios aconteceria na segunda (26) e na terça (27)

Comentar
Compartilhar
23 JUN 2017Por Folhapress14h00
A prefeitura suspendeu as eleições para o conselho gestor que definirá o destino de dois quarteirões da antiga cracolândiaFoto: Rovena Rosa / Agência Brasil

A prefeitura suspendeu as eleições para o conselho gestor que definirá o destino de dois quarteirões da antiga cracolândia. O Ministério Público pediu, na tarde da quinta-feira (22), melhor detalhamento de todo o processo de formação do conselho e mais tempo para informar os eventuais candidatos.

A eleição dos representantes dos moradores e de membros da sociedade civil envolvida naquela área do bairro de Campos Elísios aconteceria na segunda (26) e na terça (27). A Secretaria de Habitação acredita que a votação ocorrerá ainda no início de julho.

"Para evitar impugnações futuras, a Secretaria Municipal de Habitação suspendeu a eleição e vai firmar um acordo com o Ministério Público com amplo detalhamento de todo o processo de formação do conselho, esclarecendo inclusive que o poder público atua de forma paritária e segue rigorosamente a legislação vigente", afirmou à reportagem o secretário de Habitação, Fernando Chucri.

O conselho gestor é quem decidirá o destino da área que foi palco de operação policial e remoções em 21 de maio.

As quadras entre as alamedas Glete e Cleveland, a rua Helvetia e o Largo Coração de Jesus, são demarcadas como Zona Especial de Interesse Social (ZEIS), que determina que 80% dos metros edificados sejam de moradia social (60% para renda de até três salários mínimos, 20% para renda de até seis).

Os vinte integrantes do conselho terão o poder de deliberar que tipo de moradia será ali instalada, da quantidade de apartamentos às faixas de renda contempladas nos futuros conjuntos habitacionais.

A gestão do prefeito João Doria (PSDB) pretende ocupar os dois quarteirões ampliando a PPP (parceria público-privada) que já ergue um conjunto habitacional em um terreno vizinho -o da antiga Rodoviária, diante da Estação Júlio Prestes.