Com média de 7 afogamentos por dia, bombeiros reforçam número de guarda-vidas no litoral

O efetivo, que geralmente é de 490 pessoas, passará para 800 profissionais durante o feriado prolongado

Comentar
Compartilhar
03 SET 2021Por Folhapress18h49
Segundo o Corpo de Bombeiros, já foram registradas 1.777 ocorrências de afogamento no litoral paulista, entre janeiro e agosto deste ano, e 36 óbitosSegundo o Corpo de Bombeiros, já foram registradas 1.777 ocorrências de afogamento no litoral paulista, entre janeiro e agosto deste ano, e 36 óbitosFoto: Nair Bueno/Diário do Litoral

Com média de sete ocorrências de afogamento por dia, as praias do litoral paulista contarão com um reforço de 310 guarda-vidas para proteger os banhistas no feriado de 7 de setembro.

Assim, o efetivo, que normalmente é de 490 pessoas, passará para 800 profissionais prontos para orientar e socorrer as pessoas que decidirem aproveitar o feriado em uma das praias do estado.

Segundo o Corpo de Bombeiros, já foram registradas 1.777 ocorrências de afogamento no litoral paulista, entre janeiro e agosto deste ano, e 36 óbitos. No mesmo período do ano passado, foram 1.422 afogamentos e 37 óbitos, o que aponta um aumento de 25% no número de ocorrências. A grande maioria das vítimas de afogamento são homens entre 16 e 18 anos, da Região Metropolitana de São Paulo.

A decisão de aumentar o número de guarda-vidas foi tomada em virtude de este 7 de setembro ser o primeiro feriado sem restrições por causa da pandemia e as autoridades estarem esperando que um grande número de pessoas desça para o litoral.

Para ajudar a conscientizar a população sobre os riscos de afogamento, o Corpo de Bombeiros de São Paulo, em parceria com a Secretaria de Transportes Metropolitanos, montou uma ação no Terminal Jabaquara, na zona sul da capital, nesta sexta-feira (3).

O local foi escolhido por ser uma das principais rotas para quem quer ir para as cidades da Baixada Santista, por exemplo. A ação acontecerá novamente neste sábado (4), das 10h às 13h.

"Montamos um cenário com guarda-sol, cadeirão, equipamentos usados para salvamentos e bonecos para fazermos demonstrações de como socorrer uma pessoa afogada. Estamos entregando panfletos e revistas e conversando com as pessoas para tirar dúvidas e alertar sobre os principais perigos", explica o capitão Paulo Sérgio dos Santos, do Comando de Bombeiros do Interior, que faz parte da ação.

Ele aponta que 70% dos afogamentos registrados são de pessoas que não moram no litoral. "As pessoas que vêm de outras cidades não conhecem os riscos e os locais mais perigosos."

A diarista Marli Soares, de 45 anos, foi uma das pessoas que passava pelo terminal quando viu a ação. "Estou indo para a praia neste feriado e achei ótimo receber essas dicas e a revista com explicações sobre as principais prevenções. Muito importante."

 

CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS

- Ir a praias que sejam protegidas por guarda-vidas

- Evitar praias de difícil acesso, como as que são acessadas apenas por trilhas

- Dar preferência para entrar na água em regiões próximas um guarda-vidas

- Respeitar a sinalização colocada pelos bombeiros

- Não entrar no mar após ingerir comidas "pesadas", para evitar congestão, e após a ingestão de álcool, pois este pode provocar perda do discernimento e da capacidade de reação

- Manter as crianças sempre por perto e colocar em seus braços pulseiras com dados de identificação