Chico Buarque lança primeiro romance após o Prêmio Camões

Intitulado "Essa Gente", o lançamento será no dia 14 de novembro

Comentar
Compartilhar
11 OUT 2019Por Folhapress10h45
"Essa Gente" é o primeiro livro lançado por Chico Buarque desde que ele venceu o Prêmio CamõesFoto: Divulgação

O novo romance de Chico Buarque já tem data de lançamento. "Essa Gente", primeiro livro do compositor e escritor após ele ter recebido o Prêmio Camões, será lançado no dia 14 de novembro. O anúncio foi feito pela Companhia das Letras, que publica o livro do autor.

O título, que já está em pré-venda pela Amazon e deve entrar em breve também no site da editora, retrata o Brasil de hoje e esbarra em traços biográficos de Chico.

No livro, um escritor já decadente enfrenta problemas na hora de criar uma nova narrativa e vê seus relacionamentos ruírem ao mesmo tempo em que o Rio de Janeiro à sua volta também desmorona. O nome do escritor-personagem é Manuel Duarte –com sobrenome que lembra foneticamente o Buarque do autor real.

A história é contada na forma de um diário, construído em pequenos capítulos que acabam funcionando como um quebra-cabeça narrativo enigmático e recheado de humor ácido.

A começar porque Manuel Duarte é autor do best-seller "O Eunuco do Paço Real", cujas vendas ficaram no passado e ele se vê obrigado a pedir dinheiro para seus editores paulistas ou depender da ajuda de um amigo abastado. 

O romance fica ainda mais fragmentado quando outros narradores surgem, no caso as ex-mulheres de Duarte, uma vizinha e um narrador em terceira pessoa.

"Essa Gente" é o primeiro livro lançado por Chico Buarque desde que ele venceu o Prêmio Camões, o principal troféu literário da língua portuguesa, em maio deste ano. 

O diploma do prêmio é assinado pelos presidentes do Brasil e de Portugal, mas Jair Bolsonaro deu a entender nesta semana que não vai firmar o documento concedido ao compositor em cerimônia marcada para 2020.

"Até 31 de dezembro de 2026, eu assino", afirmou Bolsonaro, referindo-se à sua reeleição. Seu mandato termina em dezembro de 2022.

No dia seguinte, Chico usou usou as redes sociais para ironizar a fala do presidente e responder ao comentário. "A não assinatura do Bolsonaro no diploma é para mim um segundo Prêmio Camões", escreveu.