Chef renomado ensina refugiados a cozinhar

Programa visa ajudar pessoas que estão em situações de vulnerabilidade como refugiados do Haiti e Venezuela, por exemplo, por meio de cursos de qualificação profissional, palestras e oficinas de poesia

Comentar
Compartilhar
22 NOV 2020Por Da Reportagem14h10
Os trabalhos do chef com os haitianos e venezuelanos são de segunda-feira a sexta-feira, na parte da manhã, no SenaiFoto: DIVULGAÇÃO

O chef do Restaurante Magna, Marco Soares, é um dos organizadores e apoiadores, na área de cozinha, do projeto promovido pelo Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO): "Mais Um Sem Dor". O programa visa ajudar pessoas que estão em situações de vulnerabilidade como refugiados do Haiti e Venezuela, por exemplo, por meio de cursos de qualificação profissional, palestras e oficinas de poesia.

Os trabalhos do chef com os haitianos e venezuelanos são de segunda-feira a sexta-feira, na parte da manhã, no Senai pelos primeiros vinte dias. Posteriormente será realizado em um contêiner com uma cozinha equipada localizada no Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia.

O chef Marco é responsável por todo pré-treinamento com aulas teóricas e posteriormente, com aulas práticas na cozinha-escola móvel (contêiner), que já está instalada no Oscar Niemeyer. Ali os alunos e alunas terão aulas práticas depois que receberem capacitação como assistentes de cozinha pelo Senai.

O PROJETO.

O projeto de empregabilidade "Mais Um Sem Dor" é promovido pelo MPT e parceiros (Justiça do Trabalho, Organização Internacional do Trabalho, Defensoria Pública do Estado de Goiás e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

É voltado a populações vulneráveis socioeconômicamente: mulheres cujos filhos morreram violentamente; refugiados, trans e travestis; pessoas em situação de rua; mulheres detentas; mulheres vítimas de violência doméstica. No ano passado, foram realizadas oito edições.

O "Mais um sem dor" promove formação humana, por meio de aulas de poesia; em seguida, vem a qualificação profissional, em cursos ofertados pelo Senai (pedreiro e pintor; costura industrial; assistente de cozinha), que duram aproximadamente 60 dias úteis; e, por fim, há o encaminhamento para o mercado de trabalho formal, principalmente por via de parcerias com empresas/instituições. Com o projeto, o MPT e seus parceiros buscam o combate à desigualdade social e a construção de uma sociedade mais justa e solidária.

AS QUATRO FASES:

1. Arte e Poesia, em que eles escrevem sobre sua dor e lançam um livro, com foco no desenvolvimento da auto performance.

2. Palestras com os parceiros SEBRAE, IEL e outros, para preparar para o mercado de trabalho.

3. Curso de qualificação profissional, de aproximadamente 3 meses, no SENAI.

4. Encaminhamento para o mercado formal de trabalho, por meio de parceria com empresas e/ou instituições parceiras.