Casa própria: Bolsonaro confirma 'taxa de juros lá em baixo' para PMs

O principal alvo são os agentes de baixa patente, que, segundo membro do governo, conseguirão financiar imóveis sem a necessidade de pagamento de entrada

Comentar
Compartilhar
17 JUN 2021Por Folhapress19h02
A ideia, é que a Caixa Econômica Federal ofereça uma linha de crédito para que policiais militares e bombeiros possam comprar casa própriaA ideia, é que a Caixa Econômica Federal ofereça uma linha de crédito para que policiais militares e bombeiros possam comprar casa própriaFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou nesta quinta-feira (16) que o governo deve lançar uma linha de crédito subsidiado para policiais militares e prometeu "taxa de juros lá em baixo" para a categoria.

"Está sendo conversado coma Caixa –praticamente acertado– um financiamento bom para vocês [PMs]. [Com] taxa de juros lá em baixo, para vocês entrarem na casa própria. A Caixa está com a menor taxa de juros no mercado. Menor mesmo, não é um pouquinho abaixo do normal não", disse o presidente, ao ser questionado por um apoiador sobre a possibilidade de uma linha de crédito do tipo. A fala do mandatário foi transmitida por um site bolsonarista.

O jornal Folha de S.Paulo revelou em 10 de junho que o governo Bolsonaro planeja lançar um programa de financiamento imobiliário subsidiado voltado para agentes de segurança.

A ideia, segundo interlocutores, é que a Caixa Econômica Federal ofereça uma linha de crédito para que policiais militares e bombeiros possam comprar casa própria.

Estuda-se ainda a ampliação para outras categorias da área de segurança ou mesmo a participação de mais instituições financeiras.

Ainda não há um valor total para o programa, mas pessoas que acompanham o tema afirmam que a linha de crédito deve ter taxa de juros subsidiadas.

O principal alvo são os agentes de baixa patente, que, segundo membro do governo, conseguirão financiar imóveis sem a necessidade de pagamento de entrada.

A engenharia financeira para colocar o programa de pé está sendo elaborada pelo Ministério da Justiça.

Ela envolve o uso de recursos hoje administrados para a pasta como garantia dos empréstimos que serão concedidos.

Segundo explicou um interlocutor, a modelagem deve ser a do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte).

O Pronampe é uma política de crédito para pequenos negócios e envolve o uso do FGO (Fundo Garantidor de Operações) como garantia dos empréstimos.