X

Brasil

Cármen Lúcia: preconceito contra a mulher continua e é grande

A ministra começou a palestra comentando, descontraída, a experiência como professora, para chegar ao tema do direito das mulheres e de minorias no País

Estadão Conteúdo

Publicado em 09/08/2018 às 20:31

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Cármen Lúcia: preconceito contra a mulher continua e é grande / Fabio Rodrigues Pozzebom/Arquivo Agência Brasil

"Há muito a percorrer", disse a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, sobre o enfrentamento à desigualdade de gênero no Brasil. "O preconceito contra a mulher continua e ele é grande. Não há nenhum engano quanto a isso", enfatizou a ministra, na manhã desta quinta-feira, 9, durante o 'Seminário Nacional - Os Direitos Humanos, os 30 anos da Constituição Federal e os 70 anos das Declarações Americanas e Universal', do qual participou ao lado da procuradora-Geral da República, Raquel Dodge.

A ministra começou a palestra comentando, descontraída, a experiência como professora, para chegar ao tema do direito das mulheres e de minorias no País. "Eu costumo dizer para os meus alunos: claro, aluno 'cola', a gente apenas dificulta, na medida do possível", iniciou a ministra, para contar sobre a história de um aluno que escreveu sobre os 'freios e contratempos' no Brasil, em vez de 'freios e contrapesos', sistema da separação de poderes, como a ministra havia pedido - o que divertiu a plateia.

"O Brasil já nasceu com os 'contratempos', mas eu costumo dizer que estamos construindo freios, pelo menos ao abuso de poder, pelo menos a todas as formas de ilícitos práticos. Estamos vencendo pouco a pouco as dificuldades", disse Cármen, que deixa a presidência do STF em setembro, quando será sucedida pelo ministro Dias Toffoli.

A ministra também chamou a atenção para a violência sofrida pelas mulheres, asseverando que essas situações nada têm a ver com "ciúme, nem com amor, nem com carência". 

"Começamos esta semana com a imprensa mostrando cenas cruéis, perversas, contrárias a qualquer possibilidade de aceitação, de violência contra mulheres. E isso não tem nada a ver nem com ciúme, nem com amor, nem com carência. Tem a ver com estrutura de poder, de uma sociedade machista, de uma sociedade preconceituosa, de uma sociedade intolerante, de uma sociedade na qual cada vez mais mostra-se, estampa-se, a absoluta incompreensão com o diferente", comentou ministra, que, mais cedo, participou da cerimônia de abertura da XII Jornada Maria da Penha. 

Ao apontar a necessidade de avanços pela igualdade de gênero no Brasil, Dodge destacou que a democracia "depende" do conceito de universalidade dos direitos humanos. "A condição feminina passou a ser mais igualitária em relação aos homens porque os direitos humanos foram reconhecidos com universais e, portanto, para homens e para mulheres", assinalou, ressalvando que as mulheres ainda estão completando o "leque de acesso aos direitos fundamentais".

A procuradora-geral citou o assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, morta a tiros no Rio de Janeiro em março. "Uma mulher que ousou ocupar o espaço público da tribuna da Câmara de vereadores do Rio de Janeiro para denunciar a violência que acontecia na favela. E foi assassinada. Muito provavelmente por ter ousado dar voz às comunidades mais carentes, aos menos favorecidos, aos discriminados", disse Dodge.

Ainda sobre a participação da mulher na política, a procuradora destacou a importância da definição de cotas para financiamento de campanhas femininas. "Porque embora tenhamos o direito de votar e de sermos votadas, o modo de assegurar o direito de sermos votadas ainda é muito desigual no País", asseverou a procuradora.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Monja Coen traz palestra à Baixada Santista na Semana da Mulher

Missionária irá falar sobre inspiração de vida em evento realizado na Ilha Porchat, em São Vicente

MUAY THAI

Portuários Stadium abre temporada com 10 lutas e momentos épicos em SV

Com o Rocket Sea Club como local dos combates, o evento contou com 20 atletas oriundos de cinco estados

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter