Cachaça com flocos de ouro resgata legado de Tiradentes e restaura a ‘alma’ do Brasil

Segundo os produtores, o ouro é consumido há cinco mil anos por reis, faraós e grandes líderes da humanidade para trazer sabedoria e poder; e serão apenas 1.532 garrafas de Middas na safra 2021

Comentar
Compartilhar
12 JUN 2021Por Da Reportagem09h45
Cachaça Middas já ganhou sete prêmios internacionais e foi medalha de prata no Ranking da Cúpula da Cachaça 2020.Cachaça Middas já ganhou sete prêmios internacionais e foi medalha de prata no Ranking da Cúpula da Cachaça 2020.Foto: Divulgação

*Por Nilson Regalado

Reza a lenda que, a caminho da forca, Joaquim José da Silva Xavier fez um último pedido: uma dose da cachaça doce e perfumada produzida desde 1717 no engenho de sua família, na antiga Vila de São José do Rio das Mortes. Mais do que a vontade de matar a sede, o pedido representava uma afronta à Coroa Portuguesa e reafirmava a identidade brasileira. A história seguiu seu curso, Tiradentes foi executado por conspirar pela independência do Brasil, mas a semente jogada no solo mineiro germinou: o Brasil se tornou independente de Portugal, virou República, atravessou o século 20 e chegou ao século 21 com ares de modernidade. E o nome de Tiradentes acabou gravado para sempre no Livro de Aço do Panteão dos Heróis da Pátria, em Brasília. O tempo passou, tantos capítulos foram escritos desde então na saga de formação da Civilização Brasileira, mas o velho engenho Boa Vista que encantou Tiradentes continua a promover sua alquimia até hoje.

Porém, a atmosfera rupestre e a beleza bucólica do velho alambique contrastam com a sofisticação de releituras ousadas da descoberta feita ao acaso por escravos negros, possivelmente no Engenho dos Erasmos, em Santos. Esse é o caso da Middas Reserva dos Proprietários, que já ganhou sete prêmios internacionais e foi medalha de prata no Ranking da Cúpula da Cachaça 2020. Encorpada, a safra 2021 acaba de chegar ao mercado com 42% de teor alcoólico. Envelhecida por seis anos em barris de carvalho, bálsamo, sassafrás e amburana, a Middas Reserva dos Proprietários conserva um suave aroma de flor de laranjeira.

Mas, o toque refinado fica por conta dos flocos de ouro 23 quilates adicionados ao sumo da cana. Segundo os produtores, o ouro é consumido há cinco mil anos por reis, faraós e grandes líderes da humanidade para trazer sabedoria e poder. E serão apenas 1.532 garrafas de Middas na safra 2021.
A quantidade de garrafas é uma homenagem explícita ao português Martim Afonso e ao legado concebido pelos africanos nas terras protegidas do mar pelo Morro do Voturuá e pelo Monte Serrat, que testemunharam a fundação da primeira vila do Brasil em 1532, na Capitania de São Vicente.

Sabor de fazenda
O 2º Levantamento da Safra 2021 divulgado na virada do mês pela Companhia Nacional de Abastecimento projetou a colheita de 49 milhões de sacas de café na temporada que começou a ser colhida agora. A previsão da Conab sinaliza uma redução de 22,6% em comparação à safra passada, que rendeu 63 milhões de sacas.

Jornal impresso vai acabar...
Enquanto as vendas no varejo cresceram 1,8% de março para abril, o setor de livros, jornais, revistas e papelaria registrou alta de 3,8% no mesmo período.

...só que não!
Na comparação anual, o aumento na venda de jornais, revistas, livros e papelaria foi de 95,9%. Os dados foram divulgados nesta semana pelo IBGE. Claro que abril de 2020 foi péssimo, mas...

Filosofia do campo:
“Bendito o que semeia livros e manda o povo pensar”, Castro Alves (1847/1871), poeta baiano.