Brasileiros em Lisboa dormem na porta do consulado em busca de atendimento

Sobrecarregada com a chegada de uma nova onda de imigrantes, a rede consular brasileira em Portugal dá sinal de esgotamento

Comentar
Compartilhar
24 JAN 2019Por Folhapress18h01
Cerca de mil pessoas buscam o consulado brasileiro de Lisboa todos os diasFoto: Divulgação/Itamaraty

A cena se repete mais ou menos da mesma forma de segunda a sexta: no início da madrugada, uma fila começa a se formar na porta do consulado do Brasil em Lisboa. Às 7h, uma hora antes de a repartição abrir as portas, aos brasileiros enfileirados ocupam quase todo o quarteirão.

Sobrecarregada com a chegada de uma nova onda de imigrantes, a rede consular brasileira em Portugal dá sinal de esgotamento.

Cerca de mil pessoas buscam o consulado brasileiro de Lisboa todos os dias, mas o órgão só tem capacidade de atender até 750.

Como a assistência é feita com base na ordem de chegada, as pessoas tentam de todas as formas garantir um lugar na dianteira da fila.

A demanda crescente fez ressurgir uma prática comum há alguns anos: a venda de lugares e senhas para o atendimento. Há quem madrugue para garantir uma boa posição na fila só para vendê-la a quem pagar mais depois.

Muitos dos brasileiros que buscam agora o consulado são recém-chegados ao país, em processo de legalização. Um dos documentos exigidos pelas autoridades migratórias é o certificado de bons antecedentes criminais, que deve ser obtido no consulado.

É o órgão também que atesta a veracidade de todos os documentos brasileiros, como certidões, carteiras de motorista e diplomas.

Grávida de oito meses, a empresária paulista Ellen Barros passou horas em pé na calçada do consulado nesta segunda. Em Portugal há dois anos e meio, ela precisa do certificado de ausência de registros criminais para renovar seu visto.

"Já passei mal, já vomitei. Prioridade aqui, só depois da senha", disse ela, que afirma notar que há cada vez mais brasileiros buscando os serviços do consulado nos últimos meses, percepção semelhante da que tem o caminhoneiro Carlos Saldanha.

"Todos os anos, preciso de um atestado da veracidade da minha CNH para o meu trabalho. Estou em Portugal há dez anos e a situação piorou muito agora. Muita gente nova chegando", opina Saldanha, que não dormiu na fila, mas madrugou por lá.

Os números oficiais da imigração brasileira em Portugal em 2018 ainda não saíram, mas o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) admitiu em entrevista ao jornal Público que houve no período um "aumento significativo" de cidadãos do Brasil residindo no país.

Em 2017, houve alta de 5,6% no número de brasileiros em Portugal, após seis anos de queda na quantidade de migrantes.Em nota, o site do consulado informa que retomou, nesta semana, o agendamento de pedidos online, o que deve contribuir para reduzir as filas.

Para tentar minimizar os transtornos, a repartição também passou a abrir uma hora mais cedo, às 8h, além de entregar a maioria dos documentos no mesmo dia dos pedidos.

Colunas

Contraponto