Bolsonaro tem condições de comparecer à ONU, diz Mourão

General da reserva disse que conversou com integrantes da equipe médica do presidente

Comentar
Compartilhar
13 SET 2019Por Folhapress19h11
Mourão disse que conversou com médicos de Bolsonaro para saber de seu estado de saúdeFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou nesta sexta-feira (13) que o presidente Jair Bolsonaro, internado desde o último final de semana, "tem perfeitas condições" de comparecer à abertura da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), em Nova York.

O general da reserva disse que conversou com integrantes da equipe médica do presidente, os quais informaram que a cirurgia realizada no último domingo (8) "não vai interferir na viagem dele" aos Estados Unidos.

Na quinta-feira (12), o período de afastamento de Bolsonaro do comando do Palácio do Planalto foi prolongado por mais quatro dias. A previsão inicial era que ele assumisse o posto nesta sexta-feira (13).

Por recomendação médica, no entanto, Mourão seguirá como interino até terça-feira (17).

"Essa extensão do repouso dele é exatamente para ele estar em boas condições para, no outro fim de semana, poder viajar", disse o general. "Eu acho que ele tem perfeitas condições. Eu já conversei com alguns médicos e todos eles me disseram que isso não vai interferir na viagem dele", acrescentou.

Mourão ressaltou que Bolsonaro deve "falar o mínimo possível" para acelerar a recuperação. Na tentativa de mostrar que está bem de saúde, o presidente fez na quinta-feira (12) uma live para as redes sociais. Com roupa hospitalar e sonda nasogástrica, ele demonstrou sinais de cansaço na voz e falou mais do que o tempo recomendado.

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio do Rêgo Barros, disse que, apesar do adiamento da volta de Bolsonaro, seu quadro clínico "evolui positivamente" e que ele caminhou duas vezes pelo quarto. Na semana passada, o presidente ressaltou que compareceria à reunião mundial nem que fosse de cadeira de rodas.

O prolongamento da permanência já havia ocorrido no começo do ano, por ocasião de outra cirurgia decorrente da facada -para retirada da bolsa de colostomia. A operação foi seguida de imprevistos na saúde do presidente.

Desta vez, a cirurgia foi para a correção de uma hérnia. O presidente foi internado no sábado (7) e passou pelo procedimento no domingo (8), no Hospital Vila Nova Star, na região sul de São Paulo.

No dia seguinte à cirurgia, Bolsonaro passou a se alimentar com uma dieta líquida, mas, na terça (10), foi colocada a sonda e a alimentação voltou a ser feita pelas veias.

Colunas

Contraponto