Bolsonaro recebe alta, segue em recuperação e deve reassumir Presidência na quinta

O presidente estava internado no Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde foi submetido no dia 8 à quarta cirurgia desde que sofreu uma facada

Comentar
Compartilhar
16 SET 2019Por Folhapress17h18
Bolsonaro ainda deverá seguir as orientações médicas relacionadas a dieta e atividade físicaFoto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) recebeu alta médica na tarde desta segunda-feira (16), em São Paulo, e seguirá sua recuperação em Brasília. "O presidente continuará sua recuperação em domicílio, devendo seguir as orientações médicas relacionadas a dieta e atividade física", diz boletim médico desta segunda-feira.

O presidente estava internado no Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde foi submetido no dia 8 à quarta cirurgia desde que sofreu uma facada durante um ato de campanha, em setembro de 2018.

A interinidade do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) na chefia do Executivo federal foi estendida em um dia, e Bolsonaro deve reassumir o cargo na quinta-feira (19). Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, a medida foi adotada por orientação médica para que o presidente possa descansar e ter uma recuperação mais rápida.

Barros confirmou que Bolsonaro participará da Assembleia Geral da ONU em 24 de setembro e afirmou que o presidente embarcará para Nova York no dia 23.

Segundo o porta-voz, Bolsonaro deixará Nova York e seguirá para o estado americano do Texas, onde se reunirá com industriais, empresários e oficiais das Forças Armadas dos EUA. A estadia no país foi encurtada em um dia e o presidente voltará ao Brasil no dia 25, disse Barros.

Também foi confirmada a viagem de Bolsonaro para a Ásia no final de outubro, onde passará por Japão, China, Emirados Árabes, Qatar e Arábia Saudita.

O presidente continua com alimentação cremosa e a evolução do quadro de saúde está de acordo com o esperado pela equipe médica, afirmou Antônio Antonietto, diretor médico do hospital.

"Ele [Bolsonaro] ainda tem um pouco de gás no intestino delgado e então nos pareceu perigoso evoluir para uma dieta geral e de repente a coisa complicar. A dieta cremosa tem calorias suficientes para sustentá-lo, em torno de 2.000 calorias por dia", disse o cirurgião-chefe, Antônio Luiz de Vasconcellos Macedo.

Ele informou que irá a Brasília na próxima sexta-feira (20) para acompanhar exames de sangue e de imagem de Bolsonaro no hospital DF Star, da mesma rede do Vila Nova Star. De acordo com Macedo, "a alta aconteceu em função da melhora dos exames, da melhora do trânsito intestinal, da melhora dele como um todo".

O porta-voz da Presidência comentou ainda que nos últimos dias Bolsonaro já percorreu mais de 3.000 metros em caminhadas pelo corredor do oitavo andar do hospital.

No último dia 8, os médicos corrigiram uma hérnia que surgiu na região do abdômen em decorrência das múltiplas incisões feitas no local nos últimos meses. A operação durou cinco horas e foi considerada bem-sucedida.

Logo após a cirurgia, Bolsonaro vestiu uma cinta elástica para pressionar o abdômen operado e ajudar no processo de recuperação. O surgimento da chamada hérnia incisional já era esperado pelos médicos que atendem o presidente, em razão da série de intervenções feitas na região da barriga do paciente para tratar os danos provocados pela facada.

A hérnia ocorreu porque, em virtude do enfraquecimento da parede muscular do abdômen, uma parte do intestino passou por uma cavidade desse tecido. As sucessivas incisões (cortes) na barriga fragilizaram o músculo, o que fez com que a porção do órgão e uma camada de gordura rompessem a membrana, criando uma saliência sob a pele.

O então candidato a presidente foi esfaqueado por Adélio Bispo de Oliveira em 6 de setembro de 2018. O autor do crime está preso desde então.

Colunas

Contraponto