Bolsonaro diz que 'caga' para CPI e que não vai responder carta de senadores

"Não vou responder nada para estes caras, não vou responder nada para este tipo de gente", disse

Comentar
Compartilhar
08 JUL 2021Por Folhapress20h00
Foto: Anderson Riedel/PR

Usando palavra de baixo calão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na noite desta quinta-feira (8) que não vai responder a uma carta do presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-MA), do vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e do relator Renan Calheiros (MDB-AL) provocando o mandatário a se manifestar sobre o depoimento do deputado Luis Miranda (DEM-DF) a respeito do caso Covaxin.

"Sabe qual a minha resposta? Caguei! Caguei para a CPI, não vou responder nada!", afirmou Bolsonaro em sua live semanal.

O presidente voltou a atacar senadores independentes e de oposição e referiu-se aos três da cúpula da CPI como "imbecil", "hipócrita" e "analfabeto".

"Não vou responder nada para estes caras, não vou responder nada para este tipo de gente", disse Bolsonaro.

"Tomamos essa iniciativa de maneira formal, tendo em vista que no dia de hoje, após 13 dias, Vossa Excelência não emitiu qualquer manifestação afastando, de forma categórica, pontual e esclarecedora, as graves afirmações atribuídas à Vossa Excelência, que recaem sobre o líder de seu governo", afirmam os senadores na carta protocolada no fim da tarde na Presidência da República.

À CPI, Luis Miranda declarou que alertou Bolsonaro, em março, sobre o caso Covaxin. Segundo sua versão, o presidente associou o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), às supostas irregularidades. Barros nega ter participado da negociação para a compra da Covaxin.

Os parlamentares da CPI da Covid pedem que Bolsonaro confirme ou desminta a afirmação do deputado.