Bolsonaro culpa indústria e suspende compra de seringas

Segundo o presidente, a compra do produto está suspensa até que ‘os preços voltem à normalidade’

Comentar
Compartilhar
06 JAN 2021Por Gazeta de S. Paulo15h15
De acordo com o presidente, a federação conta com quantidade suficiente para realizar uma primeira etapa de imunizaçãoFoto: Isac Nóbrega/PR

Nesta quarta-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) responsabilizou a indústria pelo fracasso na aquisição de seringas para as campanhas de vacinação. De acordo com ele, a compra do produto está suspensa até que “os preços voltem à normalidade”.

"Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade", afirmou. Bolsonaro ressaltou que o Brasil consome 300 milhões de seringas por ano.

De acordo com o presidente, a federação conta com quantidade suficiente para realizar uma primeira etapa de imunização. "Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande", afirmou.

Compra

Após fracassar na primeira tentativa de compra de seringas e agulhas para as campanhas de vacinação contra Covid-19 e Sarampo, o Ministério da Saúde fez uma requisição de estoques extras desses produtos na indústria nacional. A expectativa é garantir a entrega de 30 milhões de unidades em janeiro.

Em uma rede social, o presidente compartilhou uma lista de países e seus percentuais de vacinados até segunda-feira (4), mas a lista não continha dados de Israel e Emirados Árabes, que vacinaram mais pessoas até o momento.

Em sua publicação, Bolsonaro minimizou as vendas da vacina da Pfizer. "Por volta de 44 países estão vacinando, contudo a Pfizer vendeu para muitos desses, apenas 10.000 doses. Daí a falácia da mídia como se estivessem vacinando toda a população", escreveu.