X

Meio ambiente

Blocos, prefeituras e patrocinadores investem em catadores para gestão de resíduos

Neste ano, a ONG Pimp My Carroça, que busca dar visibilidade ao trabalho dos catadores, propôs mediar a contratação de catadores autônomos por blocos

FERNANDA MENA - Folhapress

Publicado em 13/02/2024 às 12:15

Atualizado em 13/02/2024 às 13:19

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A Ambev, dona de mais da metade do mercado brasileiro de cervejas, declarou ter investido R$ 5 milhões em logística reversa no último Carnaval, retirando 175 toneladas de materiais recicláveis dos festejos / Agência Brasil

O samba pede passagem e costuma deixar um rastro de resíduos recicláveis pelo caminho. Na maior festa popular do Brasil, arquibancadas e ruas, gramados e praias emergem da folia mascarados por pilhas de plástico, alumínio, papelão e isopor.

E cada vez mais blocos de Carnaval, patrocinadores e prefeituras contratam catadores autônomos e cooperativas para que esses materiais sejam destinados à reciclagem.

"Hoje, todos têm ciência de que a reciclagem é necessária e obrigatória", avalia Lucas Assumpção, 28, que é catador de materiais recicláveis há cinco anos em São Paulo. "Nesse carnaval, tem mais blocos que investiram na gestão de resíduos por catadores e cooperativas, mas a mudança, de fato, ainda é bem pouca. E a varrição da prefeitura vai para aterros e lixões."

Foi a PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), por meio da Lei 12.305, de 2010, que instituiu a responsabilidade do gerador de resíduos de destiná-los de maneira ambientalmente correta - conceito conhecido como logística reversa.

A Ambev, dona de mais da metade do mercado brasileiro de cervejas, declarou ter investido R$ 5 milhões em logística reversa no último Carnaval, retirando 175 toneladas de materiais recicláveis dos festejos. O peso equivale a quase 4 navios iguais ao Titanic.

Além da gigante das cervejas, Instituto Heineken e Solar Coca-Cola estão entre as patrocinadoras de ações com catadores e cooperativas nos carnavais de São Paulo, Recife, Salvador e Rio de Janeiro, em geral em parceria com a Ancat (Associação Nacional de Catadores). São iniciativas que visam remunerar os catadores acima do preço médio fora do Carnaval.

"Há três anos, desenvolvemos esse trabalho com a Ambev, que neste ano está um pouco mais organizado", diz o presidente da entidade, Rodrigo Rocha. "São 400 catadores envolvidos, alguns em situação de rua. Eles têm uma meta, a partir da qual recebem uma remuneração que pode chegar a R$ 250 por dia", explica ele.

A cada 10 kg de material entregue nos postos de coleta, os catadores ganham R$ 100 de bônus.

Segundo Rocha, as ações envolvem o uso de material de proteção, como luvas, e de uniformes de identificação. "Assim, a gente sente mais orgulho porque as pessoas não nos veem como uns pobres coitados, mas como prestadores de um serviço importante, que contribui para o meio ambiente. É um resgate de embalagens que iriam parar no aterro, mas também de vidas", diz.

No Brasil, historicamente, são carroceiros e catadores de materiais recicláveis os principais agentes desse ecossistema. Estima-se que sejam eles os responsáveis por 9 em cada 10 kg de embalagens que chegam à indústria de reciclagem.

"Tem aumentado a preocupação do setor privado e de municípios em aumentar o contingente de catadores nesse tipo de serviço durante o Carnaval, o que aumenta os resíduos coletados para reciclagem", afirma Edson Grandisoli, coordenador educacional do Movimento Circular.

Para ele, o reconhecimento do papel dos catadores é fundamental. "Eles têm o know-how desse trabalho, que envolve saúde pública e ambiental, e atuam na linha de frente para garantir que esses resíduos tenham destinação adequada", afirma.

Neste ano, a ONG Pimp My Carroça, que busca dar visibilidade ao trabalho dos catadores, propôs mediar a contratação de catadores autônomos por blocos.

Lucas Assumpção foi um deles. Ele atuou no Baixo Augusta e no Vem Quem Qué, e conta que foi procurado por outros blocos que, surpresos com o fato de terem de pagar pelo serviço, não fecharam a parceria.

"Os blocos têm interesse, mas precisam entender que esse é um serviço prestado e cobrado, ou seja, precisa ser remunerado", explica ele, que estima que 90% do lixo gerado pelos blocos seja reciclável. "Os blocos produzem resíduos e contratar catadores gera renda, inclusão e preservação do meio ambiente."

No ano passado, foi sancionada pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) a lei 17.806 que exige que eventos públicos e privados de todo o estado adotem um plano de gerenciamento de resíduos sólidos que promova a contratação de catadores e cooperativas de reciclagem.

Segundo a deputada Marina Helou (Rede), autora do projeto de lei e coordenadora da Frente Parlamentar Ambientalista, está prevista a produção de 2.000 toneladas de resíduos recicláveis neste Carnaval em São Paulo.

"Este volume poderia gerar 20 mil postos de trabalho no Estado para gerar renda aos catadores e destinar corretamente esses resíduos, mas a falta de um decreto que regulamenta a lei é um entrave ao avanço dessa pauta", avalia Helou.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

CAMPS estará presente na Intermodal este ano

O espaço na Intermodal é muito importante para o CAMPS não só por conta da  relevância desse evento para o setor, mas também pela experiência que proporciona ao mercado

Cotidiano

Litoral de SP tem mais de 25 mil imóveis em área de risco

Os dados foram obtidos a partir de um cruzamento entre as coordenadas geográficas do Censo Demográfico 2022, do IBGE

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter