Aluguel de imóveis em São Paulo sobe 0,9% em janeiro

De acordo com dados do Secovi, mesmo com a pequena variação positiva, os preços no mercado de locação estavam em média 2,7% menores do que os praticados 19 meses atrás

Comentar
Compartilhar
15 FEV 2017Por Agência Brasil11h30
Quem precisou alugar um imóvel na cidade de São Paulo, no último mês de janeiro, pagou em média 0,9% maisQuem precisou alugar um imóvel na cidade de São Paulo, no último mês de janeiro, pagou em média 0,9% maisFoto: Agência Brasil

Quem precisou alugar um imóvel na cidade de São Paulo, no último mês de janeiro, pagou em média 0,9% mais do que os inquilinos que assinaram novos contratos de locação no mês anterior. No acumulado de 12 meses, a taxa atingiu 0,7%, na primeira elevação desde junho de 2015, segundo o Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

Essa alta, no entanto, é bem inferior à variação do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) (6,6%), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e que serve de parâmetro para a correção dos alugueis.

De acordo com dados do Secovi, mesmo com a pequena variação positiva, os preços no mercado de locação estavam em média 2,7% menores do que os praticados 19 meses atrás. A série histórica mostra que ao longo do ano passado, a retração mais expressiva em relação à variação anual ocorreu em março (-4,1%).

Por meio de nota, o vice-presidente de gestão patrimonial e locação da entidade, Rolando Mifano, fez uma projeção indicando a possibilidade de uma recuperação dos preços. "Essa leve alta em janeiro, aproximando mais um pouco a variação do valor médio de locação ao IGP-M, finalmente, manifesta uma tênue reação e uma tendência de equilíbrio para os próximos meses."

Tamanho

Em janeiro, as taxas de reajustes variaram de acordo com o tamanho do imóvel. No caso das residências de três dormitórios, os valores subiram 2,5%. Os imóveis de dois quartos apresentaram alta de 1,1% enquanto os de apenas um dormitório tiveram recuo de 0,3%.

Em quase metade dos contratos (46%) a modalidade de garantia mais utilizada foi a do fiador, seguida do tipo depósito caução (36,5%) e do seguro-fiança (17,5%).

A procura foi maior para casas e sobrados que demoraram em média entre 17 e 42 dias para alugar. Já os apartamentos levaram em média entre 24 e 49 dias.