Alto custo de energia põe em risco funcionamento do supercomputador brasileiro

O equipamento, que entrou em operação em janeiro deste ano em Petrópolis, é usado para processar dados, cálculos e simulações de pesquisas científicas e tecnológicas

Comentar
Compartilhar
22 JUN 2016Por Agência Brasil22h30
Supercomputador Santos Dumont está instalado no Laboratório Nacional de Computação Científica, em PetrópolisSupercomputador Santos Dumont está instalado no Laboratório Nacional de Computação Científica, em PetrópolisFoto: Divulgação

O Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) aguarda o repasse de recursos federais para garantir o pleno funcionamento do supercomputador Santos Dumont. O equipamento, que entrou em operação em janeiro deste ano em Petrópolis, é usado para processar dados, cálculos e simulações de pesquisas científicas e tecnológicas, mas está operando com baixíssima capacidade por restrições orçamentárias.

De acordo com o diretor do LNCC, Augusto Gadelha, o laboratório não tem recursos para arcar com o custo de energia elétrica. Atualmente, o consumo mensal do LNCC, vinculado ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, está em torno de R$ 150 mil. Mas, para o equipamento funcionar a plena capacidade, seriam necessários R$ 500 mil por mês. O valor gasto na aquisição, instalação e operação do equipamento chegou a R$ 60 milhões.

Gadelha explica que, desde o início do ano, apenas seis projetos de pesquisa utilizaram a plataforma. No entanto, o supercomputador poderia armazenar mais 50 pesquisas científicas, caso tivesse operando em sua plena capacidade. A máquina tem ainda a capacidade de fazer mais de 1 quatrilhão de operações matemáticas por segundo e pode auxiliar no avanço estudos nas áreas de bioinformática, meteorologia e de prospecção e exploração de petróleo.

“Um computador com essa capacidade de processamento permite você tratar de problemas de vários setores, como meio ambiente, petróleo, saúde, meteorologia, fármacos. É possível realizar projetos de pesquisa e desenvolvimento que, sem esse computador, não se conseguiria realizar. É uma ferramenta necessária hoje para o desenvolvimento científico em geral. Hoje há uma corrida dos grandes países para se ter esses computadores”, disse.

O Santos Dumont, montado pela empresa francesa Atos/Bull, é considerado o supercomputador mais rápido da América Latina, segundo Gadelha. Ele integra o Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho (Sinapad), que é uma rede de centros de computação de alto desempenho distribuídos pelo Brasil, voltados para a pesquisa científica e tecnológica.

Governo federal

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações esclarece que destinou um orçamento para este ano de R$ 8,1 milhões ao Laboratório Nacional de Computação Científica, cujo valor cobre os custos do instituto pelos próximos meses. A pasta informa que negocia com a área econômica uma suplementação orçamentária, já tendo sido solicitado o valor adicional de R$ 4,65 milhões, que está em análise no Ministério do Planejamento.

De acordo com o ministério, o laboratório está recebendo regularmente sua parte orçamentária. A pasta diz ainda que espera que o equipamento retorne ao pleno funcionamento para não prejudicar as pesquisas e projetos desenvolvidos.