Aliados de Bolsonaro são alvos de operação da Polícia Federal

A PF cumpriu mandados de busca e apreensão no âmbito do inquérito sobre a organização e o financiamento de atos antidemocráticos

Comentar
Compartilhar
16 JUN 2020Por Da Reportagem13h30
O blogueiro Allan dos Santos conversa com policiais federais que fizeram operação de busca e apreensão em sua casa, na manhã desta terça-feira (16)Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram alvos da Polícia Federal (FP) na manhã desta terça-feira (16). A PF cumpriu mandados de busca e apreensão no âmbito do inquérito sobre a organização e o financiamento de atos antidemocráticos. Entre os alvos da operação estão o blogueiro Allan dos Santos, o publicitário Sérgio Lima e o empresário Luís Felipe Belmonte, ambos ligados ao Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro tenta criar, e o deputado federal bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ).

A ação foi solicitada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) e determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

No total foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Santa Catarina e no Distrito Federal. Uma linha de apuração neste inquérito, segundo a PGR, busca esclarecer se os investigados se articularam com parlamentares e outras autoridades com prerrogativa de foro no STF "para financiar e promover atos que se enquadram em práticas tipificadas como crime pela Lei de Segurança Nacional (7.170/1983)".

Em uma rede social, o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), disse ser um dos alvos das buscas da PF. "Polícia Federal em meu apartamento. Estou de fato incomodando algumas esferas do velho poder", disse. Policiais vasculharam o gabinete de Silveira na Câmara, o apartamento funcional em Brasília e sua residência no Rio.

Agentes federais também cumpriram mandados em endereços do blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre, de Luís Felipe Belmonte, um dos responsáveis pela montagem da Aliança, e do marqueteiro Sérgio Lima.

O empresário Otávio Fakhoury é outro alvo da operação. Ele e Allan dos Santos já tinham sofrido busca e apreensão no inquérito de fake news, também sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

Em São Paulo, duas empresas de tecnologia estão na lista de Moraes: a Novo Brasil Empreendimentos Digitais e a Inclutech Telecnologia da Informação.

Ontem (15), no âmbito do mesmo inquérito sobre protestos antidemocráticos, a ativista Sara Winter, do grupo armado de extrema direita 300 do Brasil, foi presa após operação da PF. Na ocasião, Moraes atendeu a um pedido do Ministério Público Federal feito na sexta-feira (12), a partir de indícios de que o grupo liderado por Sara está organizando e captando recursos financeiros para ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional.

Na noite de sábado (13), integrantes do grupo atacaram o prédio do STF em Brasília com fogos de artifício. A pedido do presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli, a Procuradoria-Geral da República abriu investigação para a responsabilização dos autores.

com Folhapress