A difícil e deliciosa relação de hoje entre pais e filhos

O diálogo pressupõe ouvir o outro, se colocar no lugar dele, entender suas necessidades e fazer com que ele lhe ouça também e entenda as suas

Comentar
Compartilhar
25 NOV 2017Por Da Reportagem17h01
Atualmente, pais têm recorrido a profissionais como psicólogos, psiquiatras, psicopedagogos e educadoresAtualmente, pais têm recorrido a profissionais como psicólogos, psiquiatras, psicopedagogos e educadoresFoto: Reprodução

Vanessa Ratton
Jornalista, pós-graduada em Teatro Brasileiro formada pela UniSantos.
Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e é Educadora de Cultura de Paz

Cada um de nós é responsável pelo ser humano que gerou e seu comportamento refletirá na sociedade futura. Educar significa que é preciso ter diálogo em casa e isso dá um trabalho danado, porque diferente da discussão, que quer impor a sua verdade. O diálogo pressupõe ouvir o outro, se colocar no lugar dele, entender suas necessidades e fazer com que ele lhe ouça também e entenda as suas.

Filhos vão testar seu limite, vão compará-los com os pais dos amigos dele, vão fazer birra e você, com toda a sobrecarga do seu trabalho, das suas frustrações e incertezas, terá que aprender a conviver com mais isso. Sim, porque pais mesmo amando os filhos erram, não há manual de instrução e cada um é diferente do outro.

Atualmente, pais têm recorrido a profissionais como psicólogos, psiquiatras, psicopedagogos e educadores, na procura de respostas e conselhos sobre o que fazer com seus filhos quando esses costumam apresentar problemas como: comportamentos socialmente inadequados, dificuldades de relacionamento interpessoal, bem como problemas de adaptação escolar e aprendizagem.

As maiores queixas ficam entre as dificuldades de convivência familiar, o consumismo e o envolvimento com drogas, fumo e álcool cada vez mais cedo. Muitos se perguntam “o que estará acontecendo com nossos jovens?” E especialistas indicam que a questão poderia ser pensada de outro ângulo: “O que está acontecendo com os pais que parecem estar esquecidos de sua função de educadores?”.

Isto ocorre porque nossa geração resolveu mudar o jeito de educar os filhos, mas não tem um modelo pronto a seguir, não foi criado desta forma e esbarra em dúvidas e culpa por estar com menos tempo para cuidar das crianças, um mundo mais violento e tecnológico, ou seja, o cenário é desconhecido o que gera mais insegurança.