São Paulo fecha um estabelecimento a cada 5 horas durante a pandemia

71% dos locais interditados são bares, restaurantes, lanchonetes e cafeterias, casas noturnas e danceterias

Comentar
Compartilhar
27 JAN 2021Por Gazeta de S. Paulo20h30
Agentes da prefeitura lacram comércios na região da rua 25 de Março em maio do ano passadoFoto: Divulgação

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), interditou 1.410 estabelecimentos não essenciais desde 20 de março do ano passado, de acordo com balaço da Secretaria Municipal das Subprefeituras. O total de estabelecimentos autuados desde o início quarentena imposta pela pandemia da Covid-19 representa uma média de uma interdição a cada 5 horas.

Segundo a gestão municipal, 71% dos locais interditados, ou 1.002 comércios, são bares, restaurantes, lanchonetes e cafeterias, casas noturnas e danceterias.

Em 20 de março do ano passado, prefeitura publicou um decreto municipal que determinava o fechamento de estabelecimentos não essenciais. Quatro dias depois, o Governo de São Paulo decretou uma quarentena que passou a valer para todos os municípios paulistas.

Conforme a Secretaria das Subprefeituras, o estabelecimento que desrespeita as regras municipais é interditado imediatamente. Além disso, o proprietário deve pagar uma multa no valor de R$ 9.231,65 a cada 200 metros quadrados de área construída ocupada pela atividade.

Os estabelecimentos que descumprem a determinação de fechamento são lacrados. E em caso de reincidência, o local é lacrado novamente e o alvará de funcionamento, cassado.