X
Automotor

Renault inicia pré-venda do Kwid E-Tech

Para rentabilizar a crescente demanda de veículos elétricos no Brasil, a Renault traz o Kwid E-Tech da China

Modelo começará a chegar ao mercado brasileiro em julho, com as primeiras entregas previstas para agosto. A R$ 142.990, o subcompacto com jeito de SUV será de fato o mais barato do país / Divulgação

Com a intuito de inaugurar e explorar uma nova fronteira para mobilidade elétrica no Brasil, a Renault deu início à pré-venda do Kwid E-Tech. Produzido na China, o modelo começará a chegar ao mercado brasileiro em julho, com as primeiras entregas previstas para agosto. A R$ 142.990, o subcompacto com jeito de SUV será de fato o mais barato do país, batendo seu concorrente direto, o JAC E-JSI, que custa R$ 164.900 e também vem da China. Apesar de ser mais “barato” que o rival conterrâneo, o preço do Kwid E-Tech sai precisamente R$ 74.300 mais caro que o Kwid “comum” mais equipado – a versão Outsider, oferecida no site da Renault por R$ 68.690. Apenas esse abismo entre os preços das duas configurações já deixa claro o quanto o Brasil ainda está atrasado na corrida pelo carro totalmente elétrico. O Kwid E-Tech faz parte de um projeto global com a participação da Engenharia da Renault Latam. O elétrico também estará disponível no Renault on Demand, solução de veículos por assinatura da fabricante para o mercado brasileiro, com vários planos de longa duração customizáveis. O veículo estreia a cor exclusiva Verde Noronha, mas também estará disponível em Branco Glacier Polar e Prata Diamond. 

O Kwid E-Tech tem motor com 48 kW de potência (65 cavalos) e 11,5 kgfm de torque. Segundo a Renault, o elétrico acelera de zero a 100 km/h em 8,2 segundos, pode chegar a 130 km/h e tem autonomia de 298 quilômetros conforme a norma SAE J1634, utilizada pelo Inmetro. Pelo ciclo europeu WLTP, são 292 quilômetros. Uma vantagem bem objetiva do Kwid E-Tech está na economia do quilômetro rodado, vinda muito graças ao peso do carro: apenas 977 quilos. Traduzindo em valores, considerando R$ 7,30 o preço médio da gasolina em capitais do Sul e Sudeste, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), e o valor do kWh de R$ 0,66, o custo de um quilômetro rodado pelo Kwid elétrico é de R$ 0,06, o equivalente a um oitavo dos R$ 0,48 despendidos por um veículo térmico equivalente. A bateria do modelo da Renault tem 26,8 kWh de capacidade e pode ser recarregada em uma tomada comum de 220V em uma noite na garagem ou em 40 minutos em um carregador de corrente contínua, garantindo 80% de capacidade da bateria. O Kwid E-Tech tem três anos de garantia, oito anos da bateria e está isento do rodízio da cidade de São Paulo, por exemplo.

 

A frenagem regenerativa permanente no Kwid E-Tech recupera energia a cada vez que o motorista deixa de exercer pressão sobre o pedal do acelerador ou quando freia. A autonomia da bateria pode ser otimizada pelo modo de condução “Eco” acionado por meio de um botão no console central. Esse modo limita a potência em 33 kW e a velocidade máxima em 100 km/h. Por outro lado, torna a frenagem regenerativa mais atuante. O veículo é recarregado por um conector localizado atrás da grade frontal, na altura do logotipo da marca francesa. O destravamento do compartimento de recarga é feito em um comando interno, sob o volante. Enquanto o Kwid E-Tech está carregando, o painel de bordo exibe o indicador de recarga e mostra a autonomia disponível em quilômetros. Para facilitar o dia a dia dos clientes, a Mobilize, marca de soluções de mobilidade inteligente, energia limpa e dados do Renault Group, fechou parcerias com as empresas WEG e Schneider. Esses carregadores poderão ser adquiridos nas concessionárias ou por assinatura pelo Renault on Demand.

Os itens de segurança de série do Kwid elétrico incluem seis airbags, controle eletrônico de estabilidade (EPS), freios ABS com BAS (Braking Assist System), assistente de partida em rampa (HSA), câmera de ré e sensor de estacionamento traseiro. Traz ainda o sistema AVAS (Acoustic Vehicle Alert System), que emite um sinal sonoro de alerta aos pedestres até o veículo atingir 30 km/h, velocidade comum em áreas urbanas. Esse som é uma assinatura exclusiva de todos os modelos elétricos do Renault Group. 

O Kwid E-Tech tem o mesmo design e espaços da versão a combustão. A configuração elétrica, porém, tem um capô vincado, um grande para-choque dianteiro e um conjunto óptico separado com luzes de circulação diurna (DRL) em leds que se prolongam até a grade. Como todos os modelos “verdes” da marca, a grade frontal do Kwid E-Tech é inteiriça. A traseira é marcada por um robusto para-choque, com elementos como protetor (“skid plate”) pintado na cor prata e refletores integrados. A identidade do modelo está presente nas faixas laterais e na tampa traseira com a inscrição “E-Tech Electric”. Com dimensões externas compactas, o Kwid elétrico oferece quatro lugares para passageiros adultos. De acordo com a Renault, existe um generoso espaço para cabeça e uma área livre para os joelhos de dez centímetros na parte de trás. O porta-malas oferece a mesma capacidade de carga da versão térmica, com 290 litros. Para mais modularidade, o banco traseiro pode ser rebatido, aumentando a capacidade para 1.100 litros. 

Dentro, o Kwid E-Tech tem um painel com detalhes em prata combinados com preto brilhante. A alavanca de marchas é substituída por um comando rotativo cromado, com três posições

Dentro, o Kwid E-Tech tem um painel com detalhes em prata combinados com preto brilhante. A alavanca de marchas é substituída por um comando rotativo cromado, com três posições: “D” (drive/marcha à frente), “N” (neutro/ponto morto) e “R” (ré). Os itens de série incluem direção 100% elétrica com assistência variável, ar-condicionado, travamento centralizado das portas por botão, vidros elétricos dianteiros e traseiros, ajuste de altura dos faróis, limitador de velocidade (com acionamento no volante), sistema multimídia Media Evolution e regulagem elétrica dos retrovisores. O Media Evolution oferece tela “touchscreen” de 7 polegadas, espelhamento de smartphone compatível com Apple CarPlay e Android Auto, Bluetooth, entradas USB e AUX. O volante traz o botão “push to talk”, que aciona o comando para reconhecimento de voz (via smartphone), permitindo ativar e comandar o assistente iOS ou Google.

 No Renault on Demand, o Kwid E-Tech estará disponível nos planos de 12, 24, 36 ou 48 meses. No momento da adesão, o cliente pode escolher os planos, com opções de mil, 2 mil e 3 mil quilômetros mensais. A contratação pode ser feita 100% online no renaultondemand.com.br. No plano padrão, de 48 meses com mil quilômetros, a mensalidade é de R$ 3.339. Esse valor pode ser reduzido para R$ 2.999, caso o cliente opte por fazer um primeiro pagamento de R$ 9.990. Todos os planos do Renault On Demand garantem manutenção, com todas as revisões preventivas inclusas no pacote de assinatura, gestão de documentos, Seguro Auto – proteção contra roubo, furto, incêndio e terceiros – e assistência vinte e quatro horas por dia, com serviços de reboque, chaveiro, retorno ao domicílio, hospedagem, modalidade reserva e outros serviços emergenciais disponíveis por meio do telefone 0800-8881500.

A Renault conta com dez anos de experiência na concepção, no desenvolvimento, na fabricação e comercialização de veículos elétricos. São mais de 450 mil elétricos da marca francesa rodando no mundo. O Kwid E-Tech Electric se soma no Brasil ao Zoe E-Tech, ao Kangoo E-Tech e ao Twizy. Ainda este ano, será lançada a van Master E-Tech no país. Mais de 500 veículos elétricos da fabricante circulam atualmente no Brasil. Só em Fernando de Noronha, são 46 elétricos, com o plano “Smart Islands” sendo aplicado no arquipélago brasileiro. Além disso, a Renault tem outros projetos de mobilidade, como o VEM DF e o VEM PR, que disponibilizam veículos elétricos para uso compartilhado por servidores em órgãos públicos, respectivamente no Distrito Federal e no Paraná. 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

OPORTUNIDADE

Novo concurso público é aberto em Santos; veja detalhes

O processo seletivo também procura profissionais atuantes que venham a ocupar sete funções diferentes

INICIATIVA

Projeto quer buscar soluções para saneamento básico na Baixada

O acesso ao saneamento básico no país tende a ser mais precário em regiões não urbanizadas, ou irregulares dentro ou fora de áreas urbanizadas

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software