Tenente Coimbra - Primeira escola cívico-militar da Baixada será em São Vicente

A ideia é que o modelo seja implantado na Baixada ainda em 2021

Comentar
Compartilhar
19 AGO 2020Por Da Reportagem06h50
Foto: DIVULGAÇÃO

São Vicente está prestes a se tornar a primeira cidade da Baixada Santista a ter uma escola cívico-militar. As negociações avançaram na semana passada, quando, em reunião com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, alinhamos o interesse do município em aderir ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares.

Durante a sua passagem pela Baixada, ainda na semana passada, o ministro confirmou que São Vicente deve ser a segunda cidade de São Paulo a ser contemplada pelo programa, que representa uma grande melhoria na qualidade de ensino e na segurança de toda comunidade escolar. A ideia é que o modelo seja implantado na Baixada ainda em 2021.

O apoio do atual ministro reforça a nossa caminhada para melhorar a qualidade do ensino, mas desde o início do mandato trabalhamos em prol das escolas cívico-militares. Criamos a Frente Parlamentar pela Implementação de Escolas Cívico-Militares no Estado de São Paulo, na Assembleia Legislativa (Alesp), e desde então debatemos o tema com as prefeituras interessadas, com o Ministério da Educação e com o subsecretário de Fomento às Escolas Cívico-Militares, o Coronel Aroldo Cursino.

Graças à nossa luta, em 2019 conseguimos que Campinas fosse contemplada para receber uma escola do modelo, mas a cidade acabou sendo descartada por causa de uma ação jurídica de um vereador do PCdoB.

Não desistimos e pouco tempo depois Sorocaba foi anunciada como a nova cidade que receberá o programa. Nos reunimos diversas vezes com a prefeita Jaqueline Coutinho para ajudar no trâmite e o processo se encaminha para a escolha da escola que será convertida para o modelo cívico-militar, seguindo as recomendações do MEC.

Continuamos trabalhando na coleta de abaixo-assinados, com milhares de assinaturas de cidadãos interessados em trazer o modelo para a sua cidade. A escola cívico-militar oferece educação de qualidade a jovens e crianças do ensino público. Os militares da reserva atuam na administração e no sistema de disciplina. Toda a parte pedagógica continua sendo feita por professores.

Nosso trabalho continua para que mais unidades de escolas cívico-militares sejam instaladas por todo Estado e cada vez mais jovens e crianças possam ter um ensino público de qualidade. Não é promessa de campanha, é a nossa realidade. Não descansarei enquanto não houver o maior número dessas escolas no nosso Estado.

Tenente Coimbra, deputado estadual