X
Artigo

Tenente Coimbra - O aumento no número de suicídio entre militares

No Brasil, o número de policiais que tira a própria vida é maior que o dos que morrem em serviço

Tenente Coimbra, deputado estadual / DIVULGAÇÃO

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo®. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano.

Todos os anos são registrados mais de 13 mil suicídios no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Estudos apontam que em torno de 96% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais.

No Brasil, o número de policiais que tira a própria vida é maior que o dos que morrem em serviço. Segundo o relatório anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em outubro de 2020, só em 2019, 65 policiais militares e 26 civis cometeram suicídio. Naquele mesmo ano, o número de PMs mortos em serviço foi de 56 e o de policiais civis, 16. O número de policiais mortos fora de serviço foi 101. Os números podem ser ainda maiores por falta de levantamento de dados pelo poder público. Entre esses fatores figuram o próprio tabu, as interdições socioculturais em torno do tema, a existência de preconceito.

Independentemente dessa posição relativa em relação aos casos, estudos e relatos empíricos têm mostrado que o suicídio entre integrantes de corporações policiais no Brasil é um problema grave, que não mostra sinais de arrefecimento, e que por isso deve ser objeto de atenção e preocupação da sociedade civil e do poder público.

Dentro das Forças Armadas esta triste realidade não é diferente, por isso discutir as causas de doenças psíquicas em suas mais variadas formas dentro dos quartéis é essencial. As características peculiares e a constante pressão do dia-a-dia da profissão corroboram para o aumento do estresse de seus indivíduos, afetando diretamente a saúde dos mesmos. Infelizmente, em nosso país não temos dados fidedignos, provavelmente por falha de notificação e de mais pesquisas nessa área.

Profissões que exigem de seus membros elevado preparo físico, manutenção e manejo de armamento, equilíbrio emocional para tomada de decisões, certamente necessita de um acompanhamento psicológico frequente. 

O Exército Brasileiro, a fim de desmistificar o assunto, promoveu o 1º Encontro de Prevenção ao Suicídio, em Brasília-DF. Foram discutidas algumas diretrizes com enfoque nas medidas preventivas ao suicídio, assim como a elaboração de uma cartilha a ser distribuída em todas as Organizações Militares.

O público alvo desta jornada de estudos e intercâmbios de ideias foram os Comandantes de Batalhões, que convivem diariamente com os militares das faixas etárias de maior risco. O investimento num relacionamento de respeito entre superiores e subordinados constitui parte de um tratamento preventivo às doenças psíquicas. Olhar a depressão com a devida atenção pode evitar danos irreversíveis à família militar.

* Tenente Coimbra, deputado estadual

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software