Dólar começa a inviabilizar produção de carne, ovos e óleos no País

As notícias do campo por Nilson Regalado

Comentar
Compartilhar
22 NOV 2020Por Artigo09h17

Por Nilson Regalado

A sanha do ministro Paulo Guedes em impedir que empregadas domésticas viajem para Disney somada à necessidade de agradar os ruralistas do Centrão no Congresso Nacional, aliadas à avidez por turbinar exportações para gerar saldo positivo na balança comercial estão chegando a um limite perigoso. A passividade do Governo em intervir no câmbio para conter a alta de 40% no dólar em 2020 começa a inviabilizar a produção de leite, ovos, frangos e suínos por falta de soja e milho, cuja exportação bate recordes sucessivos com o real desvalorizado. A indústria de óleos vegetais também teme o colapso devido à falta de matéria-prima, o que levou a um aumento de 500% na importação de biodiesel. Ou seja, o País está vendendo barato, comprando caro, e, pior, exportando empregos...

Segundo a estatal Embrapa, o custo de produção do frango aumentou 44% de janeiro a outubro. E estes números se referem apenas ao Paraná, um dos maiores produtores de grãos do País. Em Pernambuco, a Associação Avícola estima que quase 2 milhões de galinhas serão sacrificadas devido ao aumento de 100% no preço da ração em 12 meses. Essa situação impacta uma cadeia produtiva que acrescentou US$ 5 bilhões em receitas cambiais com a exportação de carne de frango em 2020. Ou seja, manter o dólar caro pode, literalmente, matar a galinha dos ovos de ouro.

Porém, essa crise ainda não foi sentida aí, na cidade, porque, para o consumidor paulistano, o frango resfriado aumentou apenas 0,72% no ano, segundo o Procon. No caso dos suínos, o custo de produção já subiu 40,7% em 2020, segundo a Embrapa.

A exportação recorde de 82 milhões de toneladas de soja em 2020 também preocupa a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais: as importações de óleo de soja já cresceram 500% para cumprir a obrigação de misturar 12% de óleo vegetal no diesel.

A NASA é comunista.
Agência Espacial Norte-Americana fez um alerta importante nesta semana: a América Latina enfrenta a segunda maior estiagem desde 2002. Os satélites revelaram a seca em partes da Venezuela, do Paraguai, da Bolívia, do Brasil e da Argentina. O cálculo é baseado na extensão, duração e volume de água perdida durante o período seco do ano. A NASA cita que a seca no continente é consequência de grandes áreas afetadas por incêndios intensos. O Rio Paraguai registrou seu nível mais baixo em meio século...

Aproveite!
É chegado o tempo de fartura nos pomares do Brasil: amora, graviola, jaca, nectarina e sapoti estão em plena safra, trazendo para a cidade aromas, cores e sabores típicos do campo. Até a uva niágara da região de Campinas está mais doce neste ano por conta do calor...

Filosofia do campo:
"Prepare o seu coração pras coisas que eu vou contar/Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar/Aprendi a dizer não, ver a morte sem chorar/E a morte, o destino, tudo/A morte, o destino, tudo/Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei…". Geraldo Vandré e Théo de Barros, in 'Disparada'.