Tenente Coimbra: o Estado precisa estruturar o IML de Santos com urgência

Não é possível esperar mais tempo e continuar impondo tanto sofrimento a quem ali trabalha ou que depende dos serviços prestados pelos seus profissionais

Comentar
Compartilhar
09 JUN 2020Por Da Reportagem14h15
Foto: DIVULGAÇÃO

Por Tenente Coimbra

O sucateamento do Instituto Médico Legal (IML) de Santos é notícia na imprensa da Baixada Santista há anos. E já foi denunciado pelo nosso gabinete há muito tempo. Cobramos do governo do Estado, por meio da Secretaria da Segurança Pública (SSP), uma solução para os vários problemas que impedem o seu funcionamento adequado, prejudicando toda a população de Santos. 

Instalado em um prédio que não tem condições de funcionar devido a inúmeros problemas estruturais já atestados em laudos técnicos, o local é insuficiente para dar conta da demanda da cidade. 

Os equipamentos, segundo denúncias, estão sendo sucateados durante anos devido à negligência do Estado em realizar a devida manutenção e a atualização indispensável para quem usa a tecnologia como ferramenta de trabalho numa carreira essencial para o processo criminal e para que a Justiça seja feita. No IML, são feitos exames necroscópicos de vítimas de crimes e de mortes suspeitas. O trabalho desses servidores fornece subsídios importantíssimos para a conclusão de investigações. É, portanto, serviço fundamental para a segurança pública.  

Mas o instituto coleciona dificuldades para continuar desempenhando bem o seu trabalho: a defasagem de efetivo atrasa a realização e conclusão de laudos. É urgente repor os quadros de funcionários. 

A mudança do IML para um novo endereço, discutida desde o ano passado, ainda não saiu do papel por causa da lentidão dos trâmites burocráticos e a quarentena atrasará ainda mais esse processo. Mas as mudanças no IML não podem esperar. Servidores não podem continuar arriscando sua integridade física trabalhando em um prédio caindo aos pedaços. E, para piorar ainda mais a situação, recebemos a denúncia de que câmaras frigoríficas teriam quebrado. Com isso, os corpos precisaram ser levados para cidades vizinhas para que seja feito o exame necroscópico. 

O resultado é que familiares que perderam um ente querido têm que esperar ainda mais tempo para poder sepultar as vítimas. E isso, não há dúvidas, chega a ser desumano. 

Diante das novas denúncias, enviei um requerimento de informação ao governo do Estado para verificar o que, de fato, está ocorrendo no IML de Santos. A SSP ainda não nos respondeu. Essa resposta tem que vir além da retórica. É preciso que o Estado aja para solucionar os problemas. Não é possível esperar mais tempo e continuar impondo tanto sofrimento a quem ali trabalha ou que depende dos serviços prestados pelos seus profissionais.

Como representante da Baixada Santista na Alesp, sigo cobrando do governo as melhorias necessárias. Usem as minhas redes sociais para fazer denúncias e vamos, juntos,  fiscalizar o poder público. (facebook.com/TenenteCoimbra; instagram.com/tenente_coimbra/; twitter.com/Tenente_Coimbra).

Tenente Coimbra, deputado estadual