Artigo - Ministro café com leite

O mundo tecnológico mudou muito desde os tempos em que nossa economia dependia quase que apenas da semente aromática e da simpatia das vaquinhas na ordenha; agora temos um mundo mais amplo e interesses mais complexos para pleitear

Comentar
Compartilhar
25 JUN 2021Por Artigo06h40
Silvio Sebastião Pinto, Analista Programador e EscritorSilvio Sebastião Pinto, Analista Programador e EscritorFoto: DIVULGAÇÃO

Por Silvio Sebastião Pinto

O novo ministro do Meio Ambiente, Leite, veio do ramo do café. Sim, Joaquim Álvaro Pereira Leite era produtor de café. Ele é fazendeiro, de tradicional família ruralista paulista, e atuou como conselheiro na Sociedade Rural Brasileira (SRB), uma das mais tradicionais e influentes entidades ruralistas do país, desde 1996 até 2019, quando precisou deixar essa função para atuar no ministério. Antes do cargo de ministro ele exerceu o posto de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais, do Ministério do Meio Ambiente.

Creio que podemos concluir, então, que ele é um recém convertido aos interesses do meio ambiente. Será? Não se espera que ele mude muito os rumos do trabalho do seu antecessor, Ricardo Salles, do qual recebia ordens, e que seja apenas um tapa-buraco, uma sombra. Mas ele pode surpreender. Afinal, as diretrizes do planalto têm causado muitos problemas para o próprio governo, e ele pode não querer sujar seu currículo num posto de tanta visibilidade; e o histórico recente do ministério da saúde é uma lição contundente a ser considerada.

O mundo tecnológico mudou muito desde os tempos em que nossa economia dependia quase que apenas da semente aromática e da simpatia das vaquinhas na ordenha; agora temos um mundo mais amplo e interesses mais complexos para pleitear. Hoje em dia considera-se que as matas valem mais de pé do que deitadas. Com as tecnologias atuais podemos produzir muito mais em espaços bem menores, e a pecuária extensiva já está sendo repensada, há projetos para extrair proteínas até de insetos, o que seria mais barato e menos agressivo ao meio ambiente. Acredite, em breve vamos comer 'carne' de formigas e abelhas, e isso se tornará o nosso novo normal.

Se o novo ministro entender bem isso pode até nos posicionar como uma potência de tecnologias limpas e respeito ao meio ambiente. Mas sem bater de frente com as nações que podem ser valiosas aliadas.

* Silvio Sebastião Pinto, Analista Programador e Escritor