Banner gripe

Relator propõe o fim da contribuição sindical obrigatória

O texto revoga 18 artigos da CLT e prevê que outros 100 possam ser alterados

Comentar
Compartilhar
13 ABR 2017Por Agência Brasil11h00
Mudanças, caso sejam aprovadas em plenário e se transformem em lei, vão modificar a legislação trabalhista e também a relação entre patrões e empregadosFoto: Divulgação

O relator da reforma trabalhista na Câmara, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), fez ontem a leitura de seu parecer sobre o Projeto de Lei 6787/2016, que modifica a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em vigor desde 1943. Em 132 páginas, o parlamentar apresenta um histórico da legislação trabalhista do país e das audiências da comissão, além de alterar itens do PL proposto pelo governo federal e incluir itens como a retirada de contribuição sindical obrigatória e medidas de salvaguardas para empregados terceirizados.

“O objetivo [da reforma] é modernizar a legislação do trabalho, não podemos deixar que a precarização das leis de trabalho impeçam a criação de postos de trabalho. Nem por isso estamos propondo a revogação de direitos”, ressaltou Marinho, no parecer favorável à proposta do Executivo de atualização da CLT.

Em seu parecer, o relator propõe a adoção da arbitragem, o fortalecimento da negociação coletiva e outras soluções extrajudiciais para resolução de conflitos. No substitutivo, o deputado sugere a previsão de “algum risco” para quem ingressar com uma ação judicial, como o pagamento das custas judiciais. A sugestão também inclui a regulamentação para o dano extrapatrimonial.

Por outro lado, a lista de pontos previstos em lei que não poderão ser alterados por acordo coletivo chegou a 18. O projeto inicial proibia mudanças apenas em normas de segurança e medicina do trabalho.

Marinho propõe que a contribuição sindical fique restrita aos trabalhadores e empregadores sindicalizados. O desconto do pagamento da contribuição deve ser feito somente depois de manifestação favorável do trabalhador.

“Criada em uma época em que as garantias constitucionais estavam suspensas, a contribuição sindical tem inspiração claramente fascista, uma vez que tinha como  objetivo principal subsidiar financeiramente os sindicatos para que dessem sustentação ao governo”, defende Marinho.

Diário da Copa

RUSSIA 2018
Faltam
dias para a Copa

Colunas

Contraponto