04h : 01min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Estivadores fazem passeata para relembrar dia da categoria

Aproveitando o Dia Nacional dos Estivadores, categoria protestou contra a ameaça ao mercado de trabalho

Comentar
Compartilhar
19 OUT 2016Por Da Reportagem10h50
Após passeata, estivadores se concentraram em frente ao Paço Municipal e fizeram um ato públicoFoto: Matheus Tagé/DL

Os estivadores relembraram ontem o dia da categoria, promovendo uma passeata pelas ruas do centro de Santos que terminou com uma manifestação na Praça Mauá, em frente ao Paço Municipal. Durante o evento, os trabalhadores se manifestaram em defesa do mercado de trabalho da estiva, que está ameaçado de extinção devido à nova legislação na escala de trabalho em terminais privativos.

Esse fato foi destacado nos discursos e nas faixas e cartazes levados por estivadores e familiares. O evento terminou com a já tradicional frase: “Estiva unida, jamais será vencida”.

A concentração dos estivadores e familiares começou na parte da manhã, em frente ao sindicato. No início da tarde, embaixo de um sol escaldante, a categoria iniciou a passeata em direção ao centro da cidade.

O presidente do Sindicato dos Estivadores, Rodnei Oliveira da Silva, Nei,  enfatizou a necessidade de unir toda a categoria ontem no evento.

“É o Dia Nacional dos Estivadores, e temos que lembrar essa data com manifestações e protestos para chamar a atenção da opinião pública contra o que estão fazendo com o mercado de trabalho da categoria”, disse Nei.

“O protesto entrará para a história da estiva, homenageando os antepassados que tanto lutaram pela profissão”, garantiu o sindicalista, que anunciou ao fim da passeata que a categoria vai promover novas manifestações, na próxima semana, em frente a um terminal portuário privativo, mas, que diferente da de ontem, será um protesto mais contundente para garantia do mercado de trabalho.

“ A estiva está sendo atacada violentamente pelos empresários do setor, e não podemos aceitar essa situação. Por isso temos que lutar, pois nosso sucesso dependerá de cada uma de nós, avulsos, vinculados, cadastrados e aposentados”, concluiu.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar