Estivadores de Santos podem fazer greve em março

Categoria saiu em passeata do sindicato até o Sopesp, onde foram recebidos e fizeram assembleia na rua

Comentar
Compartilhar
26 FEV 2018Por Da Reportagem16h16
A categoria saiu do sindicato às 8h45, na rua dos EstivadoresFoto: Divulgação

Os cerca de 3 mil estivadores de Santos poderão paralisar o porto em março, conforme decisão de assembleia, na manhã de ontem, após passeata.

A categoria saiu do sindicato às 8h45, na Rua dos Estivadores, e entrou na Rua Amador Bueno, onde ficou liberada a faixa de ônibus. O protesto terminou às 9h30.

Eles caminharam até o Sindicato dos Operadores Portuários (Sopesp), na Rua Amador Bueno, 333, onde a diretoria e uma comissão de trabalhadores foram recebidas.

Após um rápido encontro com a direção do Sopesp, quando entregaram suas reivindicações, os estivadores fizeram uma assembleia, onde cogitaram a greve.

O presidente do sindicato, Rodnei Oliveira da Silva, explicou aos trabalhadores que deu um prazo de uma semana para os operadores responderem à pauta.

Segundo Nei, essa foi a segunda vez que o sindicato dos empresários recebeu o documento reivindicatório, que já havia sido entregue em dezembro, após assembleia da categoria.

Pressão

"Temos uma alternativa para pressionar os patrões e a usaremos", disse o sindicalista.

Se o Sopesp não marcar negociações até segunda-feira (5), Nei diz que convocará a assembleia permanente da categoria para debater a paralisação: "Não temos outra saída".

As negociações tratarão do regramento do trabalho a bordo e passagem do cadastro para o registro, entre outros assuntos. Nei aguarda resposta sobre a convenção e os acordos coletivos de trabalho.

Os acordos, segundo ele, definem pontos econômicos. E a convenção coletiva define regras de direitos e deveres das duas partes: "Queremos acelerar as negociações, para que não se arrastem", diz o sindicalista.

Sopesp

Por meio de nota, o diretor-executivo do Sopesp, José dos Santos Martins, informou que as reivindicações foram encaminhadas às Câmaras Setoriais do Sopesp, "que já deram início às negociações coletivas entre as partes, objetivando serem firmados os competentes acordos coletivos de trabalho".

"Esclarecemos que da nossa parte temos uma Convenção Coletiva de Trabalho negociada em mesa com o Sindicato dos Estivadores, aprovada em Assembleia Geral Extraordinária do Sopesp, e que aguarda somente a assinatura por parte do Sindicato dos Estivadores para encaminhá-la ao Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO/Santos) para o que já há de consenso entre as partes seja aplicado nas relações de trabalho", informa o Sopesp.

"Destacamos ainda, que com base no acima exposto, o Sopesp vem cumprindo integralmente a legislação vigente, considerando a data base da categoria do Sindicato dos Estivadores (01 de março de 2018)", informa o sindicato patronal.

Colunas

Contraponto