17h : 47min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Está lançada a federação única de trabalhadores dos portos

Estivadores e portuários de todo País farão assembleias para se filiar à nova entidade

Comentar
Compartilhar
09 JUN 2017Por Da Reportagem10h50
Sindicalistas de portuários e trabalhadores avulsos de todo País estiveram ontem no Sindaport, para lançamento da nova federaçãoFoto: Matheus Tagé/DL

Com o auditório do Sindaport totalmente lotado, na manhã de ontem, foi aprovado o protocolo de intenções da Federação dos Estivadores e Portuários do Brasil (FEPB).

Participaram do evento, sindicatos de Santos e de outros portos, entre eles Paranaguá (PR), Belém (PA), Imbituba (SC) e Candeias (BA), além das centrais Força Sindical, CUT e CGTB.

A entidade se contrapõe às federações nacionais dos estivadores (FNE), dos portuários (FNP) e dos conferentes, consertadores, vigias, trabalhadores de bloco, arrumadores e amarradores (Fenccovib).

Ao abrir a assembleia, o presidente do sindicato dos estivadores de Santos, Rodnei Oliveira da Silva ‘Nei’, criticou as diretorias das federações por não unificarem as categorias.

O sindicalista explicou que a direção da FEPB será em forma de rodízio e que cada categoria terá sua secretaria, fomentando a participação dos trabalhadores de base.

O presidente do sindicato dos empregados na administração portuária (Sindaport), Everandy Cirino dos Santos, defendeu que a nova entidade tenha designação diferente.

Para ele, deve se chamar federação nacional dos estivadores, trabalhadores em capatazia e portuários. “Seja como for, ela é possível e se se tornará uma realidade”.

O presidente do sindicato dos operários portuários (Sintraport), Claudiomiro Machado ‘Miro’, reclamou que a FNP “trata sua categoria como se não existisse”.

“Nosso sindicato é o maior da base da federação e não aceita mais ser tratado com descaso. Ontem, houve uma reunião no Ministério dos Transportes, mas sequer fomos avisados”.

O presidente do sindicato dos operadores de guindastes e empilhadeiras (Sindogeesp), Guilherme do Amaral Távora, ponderou que “esse movimento tinha que ser lançado em Santos”. “Temos sofrido muito pelas tentativas de Brasília enfraquecer o porto de Santos e os portuários. Nossa unificação não interessa a eles, mas acontecerá”.

O presidente do sindicato dos trabalhadores de bloco, Wilson Roberto de Lima, disse que a nova federação “traz a esperança dos portuários terem voz em nível nacional”.

Sintrammar

O presidente do Sintrammar, Francisco Erivan, cujo sindicato constava no edital de lançamento da nova entidade sindical, como um dos interessados em participar da nova federação, enviou ofício ao Sindaport, dizendo que houve um equívoco e que o Sintrammar não teve o nome lançado sem que tivesse sido consultado.

Ex-líder da estiva é relembrado em homenagem in memorian

Durante a assembleia, o sindicalista e ex-líder sindical dos estivadores, Vanderlei José da Silva, que morreu no final do ano passado, foi homenageado pelos oradores, que lembraram de sua luta em nível nacional, para unificação e fortalecimento de todas categorias portarias numa só federação, para representá-las perante os bastidores do Poder, em Brasília.

Vanderlei, pouco antes de sua morte, chegou a confidenciar à reportagem do DL, que tinha esperança em ver todos os sindicatos portuários e avulsos unidos no mesmo objetivo de luta. “Só assim os trabalhadores do setor estarão fortalecidos”, justificou o ex-líder.

Colunas

Contraponto