Entrada da Cidade

Doadores raros: Pró-Sangue conta com rede especializada

No total, existem 34 sistemas sanguíneos e menos de 1% da população possui características dos menos conhecidos

Comentar
Compartilhar
30 NOV 2018Por Da Reportagem12h41
No total, são 34 sistemas sanguíneos, porém menos de 1% da população possui características únicas de outros sistemas de sangueFoto: Divulgação/Portal Brasil

Os tipos sanguíneos A, B, AB e O e o fator RH positivo ou negativo são os mais conhecidos, mas você sabia que esses não são os únicos que existem? No total, são 34 sistemas sanguíneos, porém menos de 1% da população possui características únicas de outros sistemas de sangue.

Quando um caso como esse acontece, é necessário encontrar um doador de fenotipagem compatível. Por conta disso, a Fundação Pró-Sangue dispõe de uma Rede de Doadores com Fenótipos Raros, denominada Redofera, que ajuda nesse atendimento.

Se um receptor com sangue raro recebe sangue não raro, pode desenvolver anticorpos que passam a destruir o sangue transfundido. Isso pode provocar danos renais e, até mesmo, agravar o quadro clínico do paciente.

Os doadores dessa rede devem seguir o mesmo critério e é preciso que estejam aptos. Isso significa que o candidato não pode estar no “intervalo de inaptidão temporária”, comum a todos que fizeram uma doação de sangue: homens, dois meses, e mulheres, três meses.

O ideal é que esse tipo de doador esteja sempre de prontidão para fazer sua doação no momento em que surgir um receptor raro, compatível ao seu sangue. Ou seja, eles não podem doar a qualquer momento como as outras pessoas.

É importante que esses doadores saibam que são portadores de um fenótipo raro. Essa informação é fundamental caso passem por uma cirurgia que necessite de transfusão.

Por isso, a Pró-Sangue disponibiliza o cartão Redofera, que traz no verso sua respectiva fenotipagem. A ideia é que estas pessoas estejam sempre de posse desse documento, deixando sempre na carteira ou na bolsa.

Para mais informações, basta acessar o site e seguir as indicações dos especialistas da Fundação.

Colunas

Contraponto