19h : 47min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Grupo faz protesto no prédio do deputado Beto Mansur

Ato foi contra as reformas, a terceirização, a crise política, a corrupção e a liberação de emendas para que deputados da base aliada votassem a favor da manutenção de Temer

Comentar
Compartilhar
10 AGO 2017Por Da Reportagem11h30
Manifestantes ocuparam por mais de uma hora a frente do prédio de Mansur com faixas e cartazesFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A Frente Povo Sem Medo fez um protesto em frente ao prédio do deputado federal Beto Mansur (PRB) na tarde de ontem. A manifestação foi contra as reformas Trabalhista e Previdenciária, a terceirização, a crise política, a corrupção e a liberação de emendas para que deputados da base aliada votassem a favor da manutenção de Temer no poder.

“É um escracho contra a postura do deputado que não está representando o povo e sim os interesses dos grandes empresários. O Beto Mansur foi um grande articulador para que a Reforma Trabalhista, por exemplo, saísse do papel e sabemos que ela tornará legal uma série de ações contra os trabalhadores”, afirma Eneida Koury.

O governo liberou R$ 2,34 bi em emendas parlamentares entre junho e julho a deputados que votaram a favor do presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) – o valor corresponde a 75% do total empenhado até o momento. Em São Paulo, 63 dos 70 deputados tiveram emendas empenhadas. O que mais recebeu benefícios foi Beto Mansur (PRB), com R$9,8 milhões garantidos nos últimos dois meses. 

“Essa compra de votos foi uma vergonha. Mansur é linha de frente da defesa de Temer - um presidente ilegítimo que tem 95% de reprovação - e ignora o que a população que o elegeu está dizendo nas ruas. Mas 2018 está aí e vamos cobrar”, defenda a militante Débora Camilo, da executiva estadual do PSOL.

Os manifestantes ocuparam por mais de uma hora a frente do prédio de Mansur com faixas e cartazes. Panfletos também foram colados na área externa com fotos do deputado.

Outros protestos aconteceram nas residências de diversos deputados que votaram a favor do fim do julgamento de Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em cidades de São Paulo e de outros estados do país.

O Povo Sem Medo é formado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), as Brigadas Populares, CTB, CUT, PSOL e outros movimentos sociais.

Colunas

Contraponto