Entrada da Cidade

Bar no Campo Grande divide opiniões de vizinhos

O caso já chegou ao Ministério Público

Comentar
Compartilhar
19 DEZ 2017Por Da Reportagem11h28
Bar no Campo Grande divide opiniões de vizinhosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

De um lado, um advogado com um abaixo-assinado com o nome de 100 moradores pedindo o fechamento do bar. Do outro, o proprietário do Barbado´s, localizado à Rua Duque de Caxias, 48, esquina com a Visconde de Farias, em Santos, que justifica estar legalmente estabelecido e que garante que 80% dos moradores do entorno frequentam o estabelecimento e nunca reclamaram de nada. O caso já chegou ao Ministério Público (MP).   

“Funciona de terça a sábado, começa às 18 horas e vai até às 5 de manhã. É perturbação do sossego de crianças, idosos e gestantes, pois as pessoas ficam bebendo nas mesas que ficam sobre a calçada até o limite do prédio que eu moro. Estacionam irregularmente também. A Prefeitura afirma que ele (dono do bar) tem alvará de funcionamento, mas isso não dá direito de incomodar os vizinhos”, afirma o advogado Walter Luiz Alves (foto), revelando que a situação está em estágio de conciliação no MP. “Já reclamamos na Ouvidoria e na secretaria pertinente. A Guarda Municipal já esteve aqui e a Polícia Militar, mas  quando eles se aproximam, o dono é alertado e baixa o som”, finaliza.

A Reportagem esteve no bar e ouviu do proprietário, Bruno Cirilo de Carvalho, que o bar funciona no máximo até às 2 horas e sem som, que é desligado às 22 horas. Ele explica que o barulho é de conversa de clientes, que considera normal. “Estranho, pois cerca de 80% dos vizinhos frequentam o Barbado´s. As reclamações partem de uma ou duas pessoas e eu estou amparado por lei. Eu até já fui multado, mas não foi por som, foi por ter colocado mesa um pouco fora do limite. Estou trabalhando e tanto a Guarda, como a Polícia, sabe disso”, afirma o proprietário, que até mantém afixado nas mesas e na parede do imóvel um pedido de silêncio aos clientes (foto). “Quem faz isso em Santos?”, indaga.

Vladimir de Paiva Loureiro, que mora cerca de cinco casas próximo ao bar, sai em defesa de Bruno Carvalho. “Há uma perseguição ferrenha. Enfiam papel debaixo da porta ameaçando ele. Não há perturbação alguma. O rapaz está trabalhando”, afirma o vizinho, que é a favor da permanência da atividade do bar.

Prefeitura

A Prefeitura informou que o proprietário do estabelecimento apontado pela Reportagem tem autorização e alvará de funcionamento em dia com a Secretaria de Finanças podendo assim exercer sua atividade.
Informa ainda que na semana passada, fiscais do Departamento de Fiscalização Empresarial e Atividades Viárias (Defemp) foram até o local e identificaram que mesas e cadeiras estavam fora do padrão autorizado e o proprietário foi multado em R$ 1.300,00.

“Quanto às denúncias de perturbação do sossego público, a Polícia Militar pode ser acionada pelo telefone 190”, finaliza nota enviada pela Administração Municipal.

Colunas

Contraponto