Banner Sabesp

Justiça concede liberdade provisória a acusados por esquema no pátio de PG

Dois servidores municipais que trabalhavam no pátio e um articulador do esquema são os acusados; eles foram presos na última segunda-feira (14)

Comentar
Compartilhar
16 AGO 2017Por Gilmar Alves Jr.19h07
Articulador do esquema disse que pagava R$ 1 mil por veículo que retirava do pátio para vendaFoto: Reprodução/Google Maps

A Justiça concedeu liberdade provisória para os três homens acusados por um esquema de liberação de veículos do pátio de Praia Grande. Eles foram presos em flagrante na segunda-feira (15) e soltos no dia seguinte, após uma audiência de custódia.

Os acusados são o chefe de administração do pátio, um segundo funcionário e o articulador do esquema, que confessou à Polícia Civil que pagava R$ 1 mil por cada carro e moto que retirava do local para venda. Após uma denúncia, a PM apurou que um homem compraria uma moto e um carro do pátio e foi realizada uma ação para o flagrante. 

A liberdade provisória foi concedida sob as condições de que os acusados compareçam a todos os atos do processo e não mudem de endereço sem prévia autorização do juízo.

Sistema

O delegado Alexandre Comin, da Delegacia Sede de Praia Grande, constatou que o pátio não tem nenhum tipo de interligação de rede com o sistema da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), o que possibilita a inclusão ou exclusão de qualquer cadastro de veículo somente pelo sistema interno do pátio.

Comin ainda constatou que no sistema é possível excluir o cadastro de qualquer veículo de modo que nenhum outro órgão fique sabendo que houve entrada do automóvel no pátio.

Por meio de nota, a Prefeitura de Praia Grande informou que colocou dados e documentos à disposição para auxiliar na investigação.

“Simultaneamente está sendo instaurado procedimento disciplinar (processo administrativo) para tomar as providências necessárias a fim de apurar a eventual responsabilidade dos servidores supostamente envolvidos. Se constatado prejuízo, o município tomará as medidas necessárias para ressarcimentos”, informou. 

Colunas

Contraponto