19h : 40min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Temer prometeu interferir na área econômica em favor da JBS, diz delator

No depoimento, gravado em vídeo, Batista contou aos investigadores sobre como foi a primeira conversa com Temer gravada às escondidas

Comentar
Compartilhar
20 MAI 2017Por Folhapress00h30
Por meio de Rodrigo Rocha Loures, assessor de Temer, Joesley combinou de se reunir com o peemedebista no Palácio do JaburuFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, disse que o presidente Michel Temer prometeu interferir na área econômica em favor da companhia. A informação foi relatada por Batista em depoimento à PGR (Procuradoria-Geral da República) em acordo de delação premiada na Operação Lava Jato.

"Comentei sobre o programa do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social], que tinha vetado operações nossas. Eu tive informações de que ele intercedeu pessoalmente a favor, tentando nos ajudar. E depois ele me confirmou pessoalmente: 'Olha, falei pessoalmente com a presidenta do BNDES [Maria Silvia Marques]'", disse Batista.

"Ele me disse que esteve no Rio de Janeiro, mas não deu certo, o BNDES vetou", afirmou.

No depoimento, gravado em vídeo, Batista contou aos investigadores sobre como foi a primeira conversa com Temer gravada às escondidas.

Por meio de Rodrigo Rocha Loures, assessor de Temer, Joesley combinou de se reunir com o peemedebista no Palácio do Jaburu.

Era noite de terça-feira. O delator dirigiu à casa de Temer e deu outro nome na portaria: Rodrigo. Parou na garagem e Temer lhe encontrou "no porão" para conversar, relatou Batista.

Ele disse que o objetivo do encontro era discutir vários assuntos, entre os quais questões de interesse da empresa na área econômica.

Batista queria discutir, por exemplo, a nomeação do presidente do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica e Social), cujo comando está com o interino Gilvandro Araújo.
O empresário afirmou que há "vários assuntos do Cade que a gente submete à apreciação" e, portanto, a escolha do novo líder é importante.

"Ele [Temer] disse que tinha uma pessoa com quem podia ter uma 'conversa franca'. "Eu entendi 'conversa franca' como alguém para obedecer os interesses do presidente", disse Batista.

A conversa também tratou sobre outros órgãos da economia: CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Receita Federal e também sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Sobre a CVM, Joesley disse que foi "falar que seria importante ter pessoa alinhada com os interesses dele, do governo".

"Perguntei a ele sobre Receita Federal, sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Mas o Henrique nunca me atendeu em nenhuma reivindicação. E eu fui perguntar como fazer para o ministro saber que são assuntos de interesse do presidente. Ele falou: pode falar com o Henrique e você me avisa o assunto", contou o delator.

Colunas

Contraponto