04h : 23min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Supremo rejeita incluir reajuste salarial em proposta de orçamento para 2018

No final de julho, procuradores da República aprovaram uma proposta orçamentária para 2018 com previsão de reajuste de 16,38% para os membros da carreira

Comentar
Compartilhar
10 AGO 2017Por Folhapress00h30

A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitou incluir no orçamento de 2018 proposta de reajuste para os membros do colegiado. Foram 8 votos contra o aumento e 3 a favor.

No final de julho, procuradores da República aprovaram uma proposta orçamentária para 2018 com previsão de reajuste de 16,38% para os membros da carreira.

O salário do procurador-geral é o mesmo de um ministro do STF -que, por sua vez, é o teto do funcionalismo.

Por essa razão, para que os procuradores tenham reajuste, é preciso que os ministros também tenham.

Hoje, esse salário é de R$ 33,7 mil. Com o reajuste pretendido, iria para R$ 39,3 mil.

A proposta foi rejeitada por oito magistrados: Cármen Lúcia, presidente da corte, Celso de Mello, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Rosa Weber, Luis Roberto Barroso, Luiz Edson Fachin e Alexandre de Moraes.

Para eles, o atual momento da economia não permite um reajuste de 16,38% nos salários.

Votaram a favor três ministros: Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux.

Colunas

Contraponto