Entrada da Cidade

Passada a eleição, Lewandowski se manifesta a favor de entrevista de Lula à Folha de S.Paulo

Em setembro, em uma reclamação ao STF, a Folha de S.Paulo pediu autorização para a colunista Mônica Bergamo entrevistar o ex-presidente na prisão

Comentar
Compartilhar
04 DEZ 2018Por Folhapress20h20
Ricardo Lewandowski manifestou-se novamente favorável ao pedido da Folha para entrevistar o ex-presidente LulaFoto: Agência Brasil

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski manifestou-se novamente nesta segunda (3) favorável ao pedido da Folha de S.Paulo para entrevistar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão.

Ele enviou ao presidente da corte, ministro Dias Toffoli, uma petição do jornal para que a entrevista seja imediatamente autorizada. Caberá a Toffoli decidir.

Em setembro, em uma reclamação ao STF, a Folha de S.Paulo pediu autorização para a colunista Mônica Bergamo entrevistar o ex-presidente na prisão, em Curitiba.

O jornal argumentou que decisões da Justiça no Paraná que vinham proibindo a entrevista contrariavam entendimento anterior do Supremo que garantiu a ampla liberdade de expressão e de exercício do jornalismo.

No mesmo dia, o partido Novo, adversário do PT, entrou com um pedido de suspensão de liminar no Supremo para proibir a entrevista.

O pedido foi registrado para análise do presidente da corte, mas foi julgado pelo vice-presidente, Luiz Fux. Ele vetou a entrevista e censurou sua eventual publicação, caso já tivesse sido realizada.

Posteriormente, Lewandowski contrariou a posição de Fux e reafirmou sua decisão original que havia autorizado a entrevista.

No meio da disputa de decisões, o presidente Toffoli decidiu avalizar a determinação de Fux, proibindo a realização da entrevista e impondo censura caso ela já tivesse sido feita.

Em um breve despacho, Toffoli afirmou que tal proibição seria válida até posterior deliberação do plenário sobre o tema –o que não ocorreu até o momento, porque o julgamento não foi agendado pelo presidente.

Agora, Lewandowski certificou o trânsito em julgado (o encerramento) da reclamação feita pela Folha de S.Paulo, uma vez que não houve recurso da Procuradoria-Geral da República contra sua decisão inicial.

"Com o trânsito em julgado, tornou-se definitiva a decisão que julgou o mérito da ação reclamatória, deixando de vigorar aquela, 'data vênia', heterodoxa suspensão de liminar", escreveu o ministro no seu novo despacho.

Lewandowski também destacou que a decisão de Fux (referendada por Toffoli) alegava que a entrevista de Lula em meio ao processo eleitoral poderia causar desinformação, risco que já não existe mais.

"A fundamentação utilizada para o reconhecimento do 'fumus boni iuris' e do 'periculum in mora' [requisitos técnicos para uma decisão liminar] foi esvaziada após a realização da Eleição/2018, pela qual o povo brasileiro já conhece o futuro presidente da República. Portanto, não há mais o suposto risco de interferência no pleito, pelo que cumpre restaurar, sem mais delongas, a ordem constitucional e o regime democrático que prestigia a liberdade de expressão e de imprensa", afirmou.

O ministro, então, encaminhou o caso a Toffoli, "para que, em face do trânsito em julgado da decisão que julgou procedente o mérito da reclamação, decrete, se assim o entender, a prejudicialidade" do suspensão de liminar dada por Fux, determinando o imediato cumprimento da decisão que autorizou a entrevista do ex-presidente.

Ainda não há manifestação do presidente da corte sobre o processo.

Colunas

Contraponto