15h : 46min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Para Doria, votação pró-Temer ajuda a 'serenar' a política brasileira

O prefeito não quis comentar o mérito das acusações contra Temer -"A votação é soberana", declarou

Comentar
Compartilhar
03 AGO 2017Por Folhapress22h30
Para Doria, votação pró-Temer ajuda a 'serenar' a política brasileiraFoto: Leon Rodrigues/ASCOM/PMSP

Em visita a Curitiba, onde deu uma palestra a empresários, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quinta (3) que a decisão da Câmara de barrar a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) "vai ajudar a serenar um pouco a política brasileira".

"Um excesso de turbulência política não contribui para o Brasil", afirmou Doria, para quem a votação ajuda também a economia.

O prefeito não quis comentar o mérito das acusações contra Temer -"A votação é soberana", declarou. Mas afirmou que quem estiver insatisfeito com o resultado deve se fazer ouvir pelo voto.

"Quem está ali [no Congresso] foi eleito pelo povo. Querem mudar? 18 [2018]. Teremos eleições democráticas. Exerça ali seu direito de repudiar e trocar", afirmou.

Esta é a quarta capital brasileira que Doria visita desde o início do seu mandato, em janeiro.

Sobre a possibilidade de uma candidatura à Presidência em 2018, porém, que vem sendo cogitada por parte do meio político, o prefeito desconversa e diz que é "candidato a ser um bom prefeito de São Paulo". "Ao tempo, o tempo", afirmou, depois de dizer que viajou atrás de "amigos, e não, eleitores".

A respeito do racha tucano na Câmara (dos 47 deputados do PSDB, 21 votaram pelo prosseguimento da denúncia contra Temer), Doria afirmou que isso "não fragiliza nem diminui o partido". "O PSDB tem essa característica: boas cabeças, com ideias que nem sempre são iguais", declarou.

O prefeito voltou a defender a saída do senador Aécio Neves (PSDB-MG), investigado por suspeita de corrupção, da presidência do partido. E pediu que o PSDB realize eleições ainda neste mês, "no mais tarde em setembro", para a nova Executiva do partido.

Colunas

Contraponto