00h : 42min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Para Barroso, nova denúncia contra Temer mostra sistema político ruim

O ministro do STF não quis comentar sobre a possibilidade de prisão dos delatores da JBS, incluindo Joesley Batista

Comentar
Compartilhar
09 SET 2017Por Folhapress16h01
Para Luís Roberto Barroso, uma nova denúncia contra Michel Temer mostra um sistema político ruimFoto: Agência Brasil

Em palestra em Washington, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso disse que o pedido de abertura de um novo inquérito contra o presidente Michel Temer mostra que o sistema político brasileiro "opera de forma muito ruim".

"Esse indiciamento confirma que o sistema opera de forma muito ruim, porque é um sistema no qual todos os atores relevantes enfrentam problemas. Provavelmente todos os ex-presidentes menos um enfrentam problemas", disse Barroso, que não quis confirmar se o pedido de abertura de novo indiciamento já havia sido encaminhado para a presidente do STF, Cármen Lúcia.

"O relator vai checar as formalidades básicas e o próximo passo será mandá-lo para a Câmara dos Deputados de acordo com o procedimento constitucional estabelecido para o indiciamento do presidente", limitou-se a dizer Barroso durante evento no Brazil Institute do Wilson Center, na capital americana.

Questionado sobre a possibilidade de prisão dos delatores da JBS, incluindo Joesley Batista, depois que o procurador-geral, Rodrigo Janot, decidiu pedir a revogação da imunidade concedida sob acordo de delação, Barroso também evitou comentar.

"Os juízes falam depois de decidir, ao fim da investigação. Quando vier para a mão, vou ter uma opinião. Agora, sou estou olhando", disse.

Com a revogação da imunidade, haveria a possibilidade de Janot pedir sua prisão.

Novos áudios

O movimento foi feito depois de um áudio entregue à PGR no último dia 31 sugerir que o ex-procurador Marcello Miller teria ajudado Joesley e Ricardo Saud, diretor e lobista do grupo JBS, no processo de delação quando ainda era procurador.

Ao retirar o benefício, Janot considerou que houve descumprimento do acordo de delação. Em depoimento à Procuradoria-Geral da República por quase três horas nesta quinta (7), Joesley disse que não recebeu orientações de Miller para negociar o acordo de delação, nem para gravar o presidente Michel Temer em encontro no Palácio do Jaburu, em março.

Além de Joesley, Saud e outro delator da JBS, Francisco de Assis e Silva, executivo e advogado da empresa, também prestaram depoimento na quinta. Miller deve depor nesta sexta (8).

Na quarta, o também ministro do STF Luiz Fux defendeu a prisão de Joesley e dos outros delatores da JBS. Segundo Fux, os delatores "ludibriaram a Procuradoria, degradaram a imagem do Brasil no plano internacional e atentaram contra a dignidade da Justiça".

"Eles devem sair do exílio nova-iorquino para o exílio da Papuda", disse Fux, em referência à prisão do Distrito Federal.

A reação veio depois que, em um dos áudios revelados nos últimos dias, Joesley e Saud falavam em pressionar o ex-ministro da Justiça do governo Dilma, José Eduardo Cardozo, que, segundo Saud, teria cinco ministros do Supremo "na mão" -sem esclarecer o que seria isso.

Colunas

Contraponto