17h : 47min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Lula nunca quis ficar rico, diz Gilberto Carvalho na Lava Jato

O ex-chefe do gabinete pessoal da Presidência da República é uma das 87 testemunhas convocadas por Lula em ação penal sobre supostas propinas da Odebrecht

Comentar
Compartilhar
14 JUN 2017Por Estadão Conteúdo18h30
O ex-chefe de gabinete de Lula afirmou ter conhecido o patriarca da Odebrecht, Emilio OdebrechtFoto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ex-chefe do gabinete pessoal da Presidência da República Gilberto Carvalho (Governo Lula) afirmou em depoimento na Operação Lava Jato que o petista 'nunca' usou a função de presidente 'para auferir recursos próprios'. Gilberto Carvalho prestou depoimento nesta terça-feira, 13, como testemunha de defesa do ex-presidente Lula.

"O presidente Lula tem muitos defeitos, como qualquer ser humano Agora, tem uma coisa. Ele nunca quis ficar rico. Ele nunca pensou em usar a função dele como presidente para auferir recursos próprios, isso eu posso ter certeza, posso afirmar porque eu acompanhei no dia a dia naqueles oito anos que eu estive ali", declarou.

Gilberto Carvalho é uma das 87 testemunhas convocadas por Lula em ação penal sobre supostas propinas da Odebrecht. Segundo o processo, parte dos valores ilícitos foi lavada mediante a aquisição, em benefício do petista, de um imóvel na Rua Dr. Haberbeck Brandão, nº 178, em São Paulo, em setembro de 2010. O local seria usado para a instalação do Instituto Lula. O acerto do pagamento da propina destinada ao ex-presidente, segundo a denúncia, foi intermediado pelo então deputado federal Antonio Palocci, com o auxílio de seu assessor parlamentar Branislav Kontic, que mantinham contato direto com Marcelo Odebrecht, auxiliado por Paulo Melo, a respeito da instalação do espaço institucional pretendido pelo ex-presidente.

O ex-chefe de gabinete de Lula afirmou ter conhecido o patriarca da Odebrecht, Emilio Odebrecht. Os assuntos tratados entre o executivo e Lula, segundo Gilberto Carvalho, eram ligados à economia nacional, expansão das empresas, mercado africano e latino-americano.

"No nosso governo não havia clima para ninguém, nenhum picareta que fosse, chegar e fazer qualquer tipo de oferta. Havia uma regra entre nós muito forte nesse sentido. Nós não podíamos nem receber convites para ir para torneios, não sei o que lá, ou tal, que o Banco do Brasil financiava ou que a própria Petrobras financiava. Era um rigor muito grande do ponto de vista de que não se misturavam as coisas de que ali a gente tinha que tratar do assunto público. Então, não tinha crime. Naqueles oito anos, posso lhe afiançar. Não havia clima para isso, não havia ninguém que tivesse coragem de chegar para o presidente e dissesse: 'eu quero lhe oferecer tal coisa'.", relatou.

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, questionou Gilberto Carvalho se o Instituto Lula funcionaria no mesmo local do Instituto Cidadania. Em 2011, foi criado o Instituto Lula a partir da transformação do Instituto Cidadania.

"Daquilo que eu sei, sim. Para mim só houve uma mudança praticamente de nome, depois que ele deixou o governo. A única sede que eu tomei conhecimento, que existe é essa. Não existe outra sede", afirmou Gilberto Carvalho.

Colunas

Contraponto