02h : 14min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Lula desiste de receber homenagem da Inconfidência em Minas

De acordo com o Instituto Lula, a desistência não tem ligação com as delações da Odebrecht tornadas públicas na semana passada e foi decidida antes disso

Comentar
Compartilhar
17 ABR 2017Por Folhapress18h00
Com Lula costurando sua candidatura para 2018, a homenagem poderia ganhar ares de ato políticoFoto: Divulgação

O ex-presidente Lula não irá à cerimônia da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), no próximo dia 21, segundo a assessoria do Instituto Lula. O petista seria, a convite do governador Fernando Pimentel (PT), homenageado na solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência.

De acordo com o Instituto Lula, a desistência não tem ligação com as delações da Odebrecht tornadas públicas na semana passada e foi decidida antes disso. Uma das razões seria o fato de o ex-presidente já ter recebido o Grande Colar, grau máximo da Medalha da Inconfidência, em 2003.

Naquele ano, Lula obteve a homenagem do então governador de Minas, Aécio Neves (PSDB). A ex-presidente Dilma Rouseff também recebeu o Grande Colar em 2011, no governo de Antônio Anastasia (PSDB). Ano passado, o ex-presidente do Uruguai José "Pepe" Mujica foi o principal nome da cerimônia.

Com Lula costurando sua candidatura para 2018, a homenagem poderia ganhar ares de ato político, como a reinauguração das obras de transposição do rio São Francisco em Monteiro (PB). A opção do ex-presidente, no entanto, foi não subir no palanque desta vez.

O governo de Minas ainda não publicou a lista de homenageados deste ano. Criada em 1952 por Juscelino Kubitschek, a Medalha da Inconfidência tem quatro graus de designações -Grande Colar, Grande Medalha, Medalha de Honra e Medalha da Inconfidência. A maior honraria concedida pelo Estado de Minas Gerais costuma homenagear políticos, juristas, advogados, militares e outras autoridades.

Os nomes dos homenageados são escolhidos pelo Conselho da Medalha, formado por representantes dos Tês Poderes e por entidades civis.

Colunas

Contraponto