10h : 52min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Justiça Federal acata pedido de transferência de Henrique Alves para Brasília

Ele é suspeito de corrupção e lavagem dinheiro por participar de desvios nas obras de construção da Arena das Dunas, sede da Copa do Mundo de 2014

Comentar
Compartilhar
10 JUN 2017Por Agência Brasil19h01
A Justiça Federal acatou o pedido de transferência de Henrique Alves para BrasíliaFoto: Agência Brasil

A Justiça Federal no Distrito Federal acatou o pedido de transferência do ex-ministro do Turismo Henrique Alves para Brasília. Preso durante a Operação Manus, no início desta semana em Natal, Alves cumpre prisão preventiva na cidade. Ele é suspeito de corrupção e lavagem dinheiro por participar de desvios nas obras de construção da Arena das Dunas, sede da Copa do Mundo de 2014 na capital do Rio Grande do Norte. As fraudes somariam R$ 77 milhões.

O juiz da 10ª Vara da Justiça Federal Vallisney de Souza Oliveira ressalta, na decisão, que a transferência pode ser feita “desde que não haja objeção daquele Juízo Federal Criminal”. Dessa forma, a transferência depende ainda de autorização da Justiça Federal no Rio Grande do Norte.

Vallisney acolheu pedido do Ministério Público Federal do Distrito Federal, onde Alves também é investigado por suspeita de ocultar R$ 20 milhões em contas no exterior. Os recursos seriam provenientes da atuação de um grupo liderado pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, responsável por irregularidades nas vice-presidências de Fundos e Loterias e de Pessoas Jurídicas da Caixa Econômica Federal.

Audiência

Na decisão, o juiz marcou para o dia 19 deste mês a audiência que vai a avaliar a legalidade e necessidade de manutenção da prisão do ex-ministro.

Os casos são consequência da análise de provas colhidas em várias etapas da Operação Lava Jato, principalmente as decorrentes da quebra dos sigilos bancário e fiscal do envolvido e dos depoimentos de delatores da empreiteira Odebrecht, homologados em janeiro pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Colunas

Contraponto