Promo DL

'Janot perdeu o senso', diz Jucá sobre segunda denúncia contra Temer

Jucá, que já havia se referido a Janot como "líder de facção", disse nesta quinta que ele pode fazer "qualquer tipo de estripulia", pois fica no cargo somente até domingo (17)

Comentar
Compartilhar
14 SET 2017Por Folhapress14h00
'Janot perdeu o senso', diz Jucá sobre segunda denúncia contra TemerFoto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) criticou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nesta quinta-feira (14), quando ele deve apresentar a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer.

Jucá, que foi chamado ao Palácio do Planalto no início desta tarde, disse que Janot está desacreditado e ironizou a expectativa de que a denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça tenha como base delação do corretor de valores Lúcio Funaro.

"O procurador está tão desacreditado.... Ele agora se juntou com o Funaro, a próxima companhia inseparável dele. Talvez vá convidar o Funaro para tomar cerveja lá naquela distribuidora", disse Jucá, em alusão ao encontro entre Janot e o advogado Pierpaolo Bottini, defensor dos irmãos Batista, da JBS.

Jucá, que já havia se referido a Janot como "líder de facção", disse nesta quinta que ele pode fazer "qualquer tipo de estripulia", pois fica no cargo somente até domingo (17).

FACTOIDES

"Acho que o procurador perdeu o senso. Como ele só tem dois dias, pode fazer qualquer tipo de estripulia.

Mas acho que a sociedade vai saber julgar o modus operandi. Mais do que isso, a tentativa de criar factoides e, mais que criar factoides, de apagar provas que podem levar a uma investigação mais séria sobre isso", disse Romero Jucá.

Janot concluiu na quarta-feira (13) a nova denúncia contra Temer.

A reportagem apurou que o peemedebista será acusado dos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça.

A peça tem de mais de 200 páginas e a previsão é que seja apresentada até o fim da tarde desta quinta-feira ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Além do presidente, Janot citará a cúpula do PMDB da Câmara, alvo do relatório da Polícia Federal entregue ao Supremo na segunda (12). Nem todos serão acusados sob a suspeita de mais de um crime.

Colunas

Contraponto