Entrada da Cidade

Iate de Eike Batista será leiloado por R$ 18 milhões

A embarcação tem capacidade para 21 passageiros e conta com quatro quartos e garagem para dois jet skis

Comentar
Compartilhar
05 DEZ 2018Por Folhapress21h20
Em julho, Eike foi condenado a 30 anos de reclusãoFoto: Agência Brasil

O iate do empresário Eike Batista será leiloado no dia 13 de dezembro por determinação do juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. O lance mínimo é de R$ 18 milhões. A embarcação tem capacidade para 21 passageiros e conta com quatro quartos e garagem para dois jet skis.

O iate é equipado com sistema de som, vídeo, TV de 67 polegadas na sala e TVs menores nos outros ambientes. A suíte master tem sauna e closet.

Em julho, Eike foi condenado a 30 anos de reclusão na ação penal em que é acusado de ter pago propina ao ex-governador Sérgio Cabral (MDB).

Foi a primeira condenação do empresário. O empresário foi considerado culpado pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Bretas também impôs ao emedebista uma pena de 22 anos e oito meses de prisão.

A sentença é decorrente da Operação Eficiência, na qual Eike foi acusado de ter pago U$S 16,6 milhões -o equivalente a R$ 64 milhões- em 2011 a Cabral. O pagamento ocorreu no exterior por meio dos doleiros Renato e Marcelo Chebar, que operavam para o ex-governador.

Considerado um dos homens mais ricos do país no passado, Eike chegou a tentar um acordo de colaboração com a Procuradoria-Geral da República. Mas a equipe da procuradora-geral Raquel Dodge considerou que as provas de corroboração apresentadas eram insuficientes.

Dono de uma fortuna calculada em US$ 30 bilhões em 2012, foi apontado como o sétimo homem mais rico do mundo pela revista Forbes. Ele acalentava o sonho de se tornar o primeiro da lista, com a exploração de petróleo no pré-sal.

Contudo, as estimativas de produção de petróleo do grupo EBX não se concretizaram, e o valor de suas firmas desabaram. Tornou-se em 2017 o primeiro top 10 da lista da Forbes a ser preso desde a detenção do traficante Pablo Escobar, em 1991.

O histórico do empresário foi considerado um agravante para o cálculo da pena por Bretas.Caso não seja arrematado, o iate irá a leilão novamente no dia 18, com redução de 25% do lance inicial.

Colunas

Contraponto