Entrada da Cidade

Haddad ataca apoio de Edir Macedo à Bolsonaro e é chamado de 'abortista'

"Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo", afirmou Haddad.

Comentar
Compartilhar
13 OUT 2018Por Estadão Conteúdo23h03
Haddad tem feito ataques à Edir Macedo pelo fato de ele declarar apoio à Bolsonaro.Foto: Divulgação

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, voltou a criticar seu adversário no segundo turno das eleições, Jair Bolsonaro, do PSL, e o líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, que declarou apoio ao capitão reformado do Exército. 

"Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo", afirmou Haddad. 

Questionado sobre os ataques de Bolsonaro acusando a criação de um "kit gay" para ser distribuído nas escolas, Haddad retrucou: "É um grandessíssimo mentiroso. Porque ele não me enfrenta e pergunta isso num debate? É uma mentira deslavada de quem não tem projeto para o País, a não ser armar as pessoas para que elas se matem".

Empenhado em fazer um aceno ao eleitorado religioso, Haddad já havia participado na quinta-feira de um encontro com a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Durante a missa da manhã de sexta, no entanto, o petista foi abordado por uma fiel que disse que ele não poderia ter participado da comunhão por ser "um abortista". "Eu sou neto de um líder religioso", respondeu o candidato e emendou: "Você deve ser ateia". 

Ao conversar com jornalistas, a mulher não quis se identificar e disse que a presença de Haddad no local era um sacrilégio. "A Igreja Católica não permite. Ele é um abortista, não tinha que estar aqui dentro", afirmou. 

Durante a missa e após a cerimônia, a mulher fez filmagens, transmissões ao vivo pelo celular para uma rede social e disse que iria "denunciar" o ato.

Haddad fez um discurso em frente à igreja pedindo apoio dos fiéis. "Nunca deixei de olhar todo mundo. Todo mundo é igual, ninguém é melhor do que ninguém", discursou. 

Resposta

Em nota, a igreja de Edir Macedo afirmou que "com sua fala criminosa, o ex-prefeito de São Paulo desrespeita não apenas os mais de 7 milhões de adeptos da Universal apenas no Brasil, mas todos os brasileiros católicos e evangélicos que não querem a volta ao poder de um partido político que tem como projeto a destruição dos valores cristãos". "Quando o bispo Edir Macedo apoiou o Partido dos Trabalhadores (PT) e o ex-presidente Lula, o apoio era muito bem-vindo. Agora, quando o líder espiritual da Universal declara que seu candidato é Jair Bolsonaro, o bispo Macedo deve ser ofendido de forma leviana?"

Colunas

Contraponto