21h : 42min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Delação de Cunha será 'casada' com a do operador Funaro

Pessoas próximas a Cunha relataram que ele se viu sem saída, já que o operador iria esvaziar suas chances de delação, além de tornar a sua libertação ainda mais difícil

Comentar
Compartilhar
06 JUL 2017Por Folhapress13h00
Envolvidos nas negociações afirmaram a reportagem que o ex-deputado nunca esteve tão perto de tentar um acordoFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no Paraná há oito meses, está trabalhando em uma proposta de delação premiada "casada" com a de Lúcio Funaro -doleiro que é apontado em investigações como principal operador do político em esquemas de corrupção como os que envolvendo a Caixa Econômica Federal.

A decisão de delatar veio depois que Funaro bateu o martelo de que tentaria fazer o acordo.

Pessoas próximas a Cunha relataram que ele se viu sem saída, já que o operador iria esvaziar suas chances de delação, além de tornar a sua libertação ainda mais difícil. Envolvidos nas negociações afirmaram a reportagem que o ex-deputado nunca esteve tão perto de tentar um acordo.

Segundo pessoas que tiveram contato com o ex-deputado, Cunha está redigindo no Complexo-Médico Penal os anexos com os fatos que pretende revelar no acordo. O peemedebista já rascunhou mais de cem anexos para a colaboração, informou a coluna Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Ainda não se sabe quantos deles serão aproveitados no acordo oficial.

Cunha deve envolver diretamente o presidente Michel Temer, os ministros Moreira Franco (Secretaria Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) e o senador Romero Jucá (PMDB-RR) em sua delação.

Na tarde de quarta (5), o doleiro foi transferido do Complexo Penitenciário da Papuda, onde estava preso desde julho passado, para a carceragem da Polícia Federal, em Brasília.

O pedido de transferência foi feito pelo Ministério Público Federal, com quem Funaro tenta um acordo, e autorizado pelo juiz da 10ª vara do Distrito Federal Vallisley Oliveira.

Para cuidar da negociação de sua delação, o político contratou o advogado Délio Lins, o mesmo que fez o acordo de delação do ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa, do mesmo parido de Cunha, o PMDB.

Colunas

Contraponto