21h : 55min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Defesa pede liberdade para os irmãos Wesley e Joesley Batista

Segundo o advogado Pierpaolo Bottini, a prisão é irregular porque a liberdade dos dois não coloca em risco as apurações da Polícia Federal

Comentar
Compartilhar
14 SET 2017Por Agência Brasil22h02
A defesa dos empresários Joesley (foto) e Wesley Batista apresentou pedido de habeas corpus para os dois irmãosFoto: Agência Brasil

A defesa dos empresários Joesley e Wesley Batista, controladores do grupo J&F, apresentou ao Tribunal Regional Federal (TRF) de São Paulo pedido de habeas corpus para os dois irmãos. O advogado Pierpaolo Bottini alega que a prisão de ambos é ilegal.

Segundo Bottini, a prisão é irregular porque a liberdade dos dois não coloca em risco as apurações da Polícia Federal (PF) sobre a prática de crime contra o sistema financeiro. A PF investiga o uso de informação privilegiada pelo grupo para negociar dólares e ações dias antes da divulgação da delação premiada que envolvia o presidente Michel Temer. O grupo J&F teria comprado US$ 1 bilhão e vendido R$ 327 milhões em ações da JBS, enquanto a dupla negociava acordo com a Procuradoria-Geral da República.

“As investigações existem e são do conhecimento dos executivos há meses, sem que jamais houvesse ato de obstrução de qualquer um deles”, diz nota divulgada por Bottini. “Ambos se apresentaram, prestaram depoimentos e entregaram os documentos requeridos. Não há indícios de que pretendam fugir”, conclui o texto.

Atualmente, Wesley cumpre prisão preventiva na sede da Polícia Federal em São Paulo. Joesley está preso em Brasília, em prisão provisória, por suspeita de violação do acordo de delação premiada.

Memória

Wesley foi preso ontem preventivamente pela Polícia Federal, na capital paulista, como parte da 2ª fase da Operação Tendão de Aquiles. Os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, a pedido da PF. Além da prisão, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva de Joesley Batista, irmão de Wesley e acionista da J&F, que está preso temporariamente desde domingo (10), quando se apresentou à PF em São Paulo, juntamente com outro executivo da empresa, Ricardo Saud.

A prisão de Joesley e de Saud foi determinada pelo ministro Edson Fachin, que aceitou o pedido de prisão temporária feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O motivo foi a divulgação de um áudio de quatro horas de diálogo entre ambos que, de acordo com a PGR, aponta que eles omitiram informações durante o acordo de delação premiada.

De acordo com a Polícia Federal, Wesley ficará preso em São Paulo por tempo indeterminado. Já seu irmão, Joesley, cumpre prisão temporária em Brasília, determinada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e que vence nesta sexta-feira (15). Se o Supremo não determinar a prorrogação da prisão temporária ou não alterar para preventiva, Joesley poderá ser transferido para São Paulo, onde ficará detido e cumprirá a prisão preventiva, determinada ontem pela Justiça Federal em São Paulo.

Colunas

Contraponto