03h : 06min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Covas aconselhou Odebrecht a se aproximar de Lula, segundo executivo

Em 1993, o grupo Odebrecht começou a dialogar com líderes sindicais para criar uma empresa petroquímica

Comentar
Compartilhar
14 ABR 2017Por Folhapress13h32
Mário Covas aconselhou a Odebrecht a se aproximar de LulaFoto: Agência Brasil

Em 1993, o grupo Odebrecht começou a dialogar com líderes sindicais para criar uma empresa petroquímica -em 2002, nasceria a Braskem, seu braço no setor. Foi naquele ano que Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais e na empreiteira desde os anos 1970, conheceu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tradicional liderança sindical do ABC paulista.

"Trabalhávamos para mostrar ao PT que o projeto [petroquímico] era extremamente competitivo para o Brasil", afirmou Alencar em seu acordo de delação premiada na Operação Lava Jato.

De onde veio a disposição de apostar em uma aproximação com a esquerda, que só chegaria ao poder uma década depois? De Emilio Odebrecht, presidente do grupo, aconselhado pelo tucano Mário Covas, ex-governador de São Paulo.

Segundo Alencar, Covas falou com Odebrecht sobre Lula: "Tem uma liderança no Brasil que é bom vocês entrarem em contato".

O depoimento do executivo integra o inquérito que apura o pagamento de doações oficiais e em caixa dois à campanha de Yeda Crusius (PSDB), ex-governadora do Rio Grande do Sul e codinome Balzac nas planilhas de repasses da empreiteira. É uma das delações dos colaboradores da Odebrecht que foram divulgadas na quarta (12).

Sua campanha, segundo as acusações, recebeu R$ 1,75 milhão entre doações oficiais e repasses nas campanhas de 2006 e 2010.

A contrapartida, segundo Alencar, era facilidades em crédito tributário no Estado. A Braskem, segundo o delator, é a segunda maior empresa do Rio Grande de Sul em recolhimento de ICMS.

Colunas

Contraponto