06h : 41min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Bolsonaro é 'muito competente', mas centro ganha eleição, aposta Maia

Segundo o presidente da Câmara, é mais provável que Lula chegue ao segundo turno com o candidato do centro que Bolsonaro

Comentar
Compartilhar
04 SET 2017Por Folhapress20h00
Maia (DEM-RJ) afirmou que um representante de centro tem maiores chances de ganhar a eleição presidencial de 2018Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que um representante de centro tem maiores chances de ganhar a eleição presidencial de 2018 que nomes que radicalizem o discurso à esquerda ou à direita.

"A polarização tradicional entre PT e PSDB não vai existir. Com Lula candidato, haverá radicalismo pela esquerda. Ele não vai ter outro caminho para entrar na eleição", afirmou Maia nesta segunda (4), em evento da revista "Exame", em São Paulo.

"Haverá pelo outro lado sempre alguém que vai querer fazer essa polarização. Foi construído nos últimos anos, acho que esse é o sucesso do deputado [e possível candidato a presidente Jair] Bolsonaro, um debate muito radicalizado na questão dos valores", continuou.

"Bolsonaro, não tiro nenhum mérito dele, é muito competente, enxergou isso na frente dos outros", afirmou o deputado. Mas é mais provável que Lula chegue ao segundo turno com o candidato do centro que Bolsonaro, disse.

"No outro campo [da direita], o que a sociedade espera é um partido, um movimento, o nome que queira se dar a isso, que olhe, sem abrir mão das suas convicções e ideais, um espaço de diálogo. As pessoas falam muito centro, centro, centro. Centro tem que ser esse espaço de diálogo e vai ser vencedor nas eleições no próximo ano", apostou Maia.

Ele elogiou o prefeito João Doria (PSDB), mas disse que não gosta de assediar quadros de outros partidos em recado ao PMDB, que tem atraído dissidentes do PSB em negociação com o DEM.

"O PSDB está na frente dos outros partidos no nosso campo, mas essa divisão é problema deles."

Colunas

Contraponto