Após TV estatal usar marca do governo, Bolsonaro publica ato para regulamentar comunicação

A NBR, por ser empresa estatal, é proibida de usar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos

Comentar
Compartilhar
08 JAN 2019Por Folhapress19h01
Jair Bolsonaro publicou um ato em Diário Oficial da União para normatizar a comunicação de seu governoFoto: Divulgação/Fotos Públicas

Um dia depois de a emissora NBR ter usado a marca "Governo Bolsonaro" para transmitir cerimônia do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro publicou um ato em Diário Oficial da União para normatizar a comunicação de seu governo.

A NBR, por ser empresa estatal, é proibida de usar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos, segundo texto da Constituição. A emissora só pode transmitir conteúdo informativo ou educativo.

"Determino à Secretaria de Governo da Presidência da República, à qual está subordinada a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, e às entidades a ela vinculadas a estrita observância ao disposto no art. 37, caput e § 1º, da Constituição em todas as comunicações e divulgações relativas às ações do Governo federal. Notifiquem-se os demais Ministros de Estado para cumprimento imediato. Em 7 de aneiro de 2019", diz o texto publicado na edição desta terça-feira (8) no DOU.

A NBR usou "Governo Bolsonaro" no gerador de créditos para transmitir a cerimônia de posse dos presidentes dos três bancos públicos: Joaquim Levy (BNDES), Rubem Novaes (Banco do Brasil) e Pedro Guimarães (Caixa Econômica Federal) na manhã de segunda (7). A informação foi divulgada pelo jornal O Globo.

A prática é vedada por trazer o nome do presidente. Segundo a reportagem apurou, por se tratar de uma estatal, a NBR só poderia, por exemplo, exibir a logomarca do governo, Pátria Amada Brasil, e o brasão da Presidência, mas nada que faça menção pessoal ao presidente.

Pelo artigo 37 da Constituição, a administração pública tem de obedecer aos princípios de "legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência".

Outro parágrafo primeiro do artigo também determina que "a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos".

A reportagem apurou que o presidente decidiu publicar o ato para evitar que isso ocorra em eventos futuros, o que poderia gerar questionamentos legais.

Procurada, a Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência) afirmou que houve um "equívoco não intencional" da NBR e "já foi corrigida".

Colunas

Contraponto