16h : 59min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Quadrilha explode carro-forte e mata PM no interior de São Paulo

A quadrilha, formada por ao menos 12 homens armados com fuzis, retirou os quatro vigilantes do interior do carro-forte e utilizou explosivos para acessar o cofre

Comentar
Compartilhar
14 MAR 2017Por Folhapress11h00

Uma quadrilha explodiu nesta segunda-feira (13) um carro-forte da empresa de transporte de valores Protege e matou um policial militar na região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

O ataque ao carro-forte ocorreu no km 100 da rodovia Carlos Tonani (SP-333), em Barrinha (a 337 km de São Paulo), por volta das 19h. Segundo a Polícia Militar, os criminosos em um carro ultrapassaram o blindado e dispararam vários tiros, obrigando o motorista a parar. Em seguida, chegou o restante da quadrilha em outros dois veículos.

A quadrilha, formada por ao menos 12 homens armados com fuzis, retirou os quatro vigilantes do interior do carro-forte e utilizou explosivos para acessar o cofre. Com a explosão, o blindado foi destruído e várias notas ficaram espalhadas pela rodovia. Após recolher o dinheiro, os criminosos fugiram.

Os policiais militares fizeram bloqueios em rodovias e estradas vicinais da região para tentar prender a quadrilha. Nas buscas, dois PMs cruzaram com os criminosos em um veículo na rodovia Deputado Cunha Bueno, no limite entre as cidades de Guariba e Jaboticabal.

Ao avistarem o carro da PM, os ladrões dispararam vários tiros. O soldado Erik Ardenghe, 28, foi atingido na cabeça por um tiro de fuzil e morreu. O cabo que estava com ele foi atingido no rosto por estilhaços. Ele foi levado a um hospital da região e passa bem.

A PM fez buscas na região, mas nenhum suspeito foi preso até a manhã desta terça (14). O caso foi registrado na delegacia de Jaboticabal. O valor roubado pela quadrilha não foi informado.

A Protege afirmou que seus funcionários estão em segurança e que colabora com as autoridades nas investigações. A empresa disse ainda que não comenta sobre valores transportados em carros-fortes.

Colunas

Contraponto